Piratas somalis seqüestram navio com 21 marinheiros em Omã

Piratas Somali sequestraram neste sábado, de um porto no Omã, um navio-tanque controlado por uma empresa indiana e com 21 marinheiros à bordo, disseram a empresa estatal de remessas da Índia e uma fonte no Golfo Pérsico. É o segundo incidente desse tipo em águas do país desde janeiro.

REUTERS

20 de agosto de 2011 | 10h42

A Direção Geral de Remessas informou que o Fairchem Bogey, um navio-tanque controlado pela Anglo-Eastern Ship Management, com sede em Dubai, foi sequestrado enquanto estava ancorado no porto de Salarah, e uma fonte local disse que a embarcação estava carregada com metanol quando foi levada.

Contudo, a APM Terminals, operadora do porto, afirmou que os piratas entraram no navio-tanque enquanto ele estava a mais de três quilômetros da costa do Omã, esperando um ancoradouro, e que ele foi levado em direção à Somália.

Tom Boyd, diretor de comunicações externas da APM Terminals, disse à Reuters que não houve relatos de feridos ou mortos na tripulação, acrescentando que o governo do Omã está negociando com os piratas.

A APM Terminals tem uma fatia de 30 por cento do porto de Salarah e opera o local para o governo.

"As autoridades do Omã estão conversando com os piratas. Líderes do governo se encontraram nesta manhã no palácio com o Sultão do Omã. Às 8h28 (horário local), a embarcação navegou em direção à Somália," disse Boyd.

O Omã fica na boca do Golfo Pérsico, um canal estratégico e muito patrulhado, pelo qual passa grande parte das remessas de petróleo mundiais.

Piratas somalis geralmente atuam no Oceano Índico, mas em janeiro um navio-tanque de 20.586 toneladas e bandeira argelina foi sequestrado 240 quilômetros a sudeste de Salarah.

O navio, com 27 tripulantes de Argélia, Ucrânia e Filipinas, estava a caminho de Dar es Salaam, na Tanzânia, com um carregamento de clínquer.

(Reportagem de Aditya Phatak em Mumbai e Martina Fuchs em Dubai)

Tudo o que sabemos sobre:
OMAPIRATASSOMALIS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.