Planeta

Desmate na Amazônia cai 23% em agosto, diz Imazon

, O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2010 | 00h00

O desmatamento na Amazônia durante o mês de agosto caiu 23% em relação ao mesmo período de 2009. Segundo dados do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) divulgados ontem, foram detectados 210 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal. Em 2009, o desmatamento somou 273 quilômetros quadrados.

Em agosto de 2010, a maioria (68%) do desmatamento ocorreu no Pará, seguido por Mato Grosso (11%), Amazonas (10%), Acre (6%) e Rondônia (5%). Houve grande aumento (241%) na degradação florestal (florestas exploradas pela atividade madeireira e queimadas), que atingiu 1.549 quilômetros quadrados em agosto de 2010 contra 455 quilômetros quadrados em agosto de 2009. Essa degradação ocorreu principalmente em Mato Grosso (46%) e no Pará (38%).

Em agosto de 2010, o desmatamento detectado pelo SAD na Amazônia Legal comprometeu 3,4 milhões de toneladas de carbono. Isso representa uma queda de 19% em relação a agosto de 2009. Foi possível monitorar com o SAD a maioria (81%) da Amazônia Legal (excluindo-se o Maranhão) em agosto.

FLORA

22% das plantas estão ameaçadas de extinção

Cerca de 22% das 380 mil espécies conhecidas de plantas do mundo estão ameaçadas de extinção, segundo estudo que envolveu um grupo de cientistas do Kew Gardens e do Museu de História Natural, ambos em Londres, e da União Internacional para a Conservação da Natureza. A maior ameaça ao hábitat de plantas é a ação humana, como desmatamento e queimadas.

QUEIMADAS

MT deve prorrogar período proibitivo

Atendendo ao Comitê de Gestão do Fogo, o secretário do Meio Ambiente de Mato Grosso, Alexandre Torres Maia, solicitou ao governo estadual uma segunda prorrogação do período proibitivo das queimadas, que terminaria hoje. Maia espera que o governador Silval Barbosa (PMDB) prorrogue esse período até o dia 15 de outubro. / ANDREA VIALLI e FÁTIMA LESSA, COM AGÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.