Planeta

Subsídios estimulam consumo insustentável

,

29 Abril 2011 | 01h40

Os subsídios governamentais para produtos agrícolas e combustíveis estão agora na mira dos ambientalistas. Segundo Achim Steiner, diretor executivo do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), os preços artificialmente baixos de alguns itens, graças aos subsídios dos governos, estimulam o consumo desenfreado e não sustentável. Steiner acredita que os subsídios deixam os produtos tão mais baratos, frente ao que seria razoável na cadeia produtiva, que tornam impossível que as pessoas tomem a decisão correta na hora de consumir. "Hoje, quando deveríamos estar nos afastando dos combustíveis fósseis por várias razões, estamos subsidiando, isto é, incentivando, criando um preço distorcido", diz. "O que estamos fazendo com o consumidor por meio da redução de impostos, incentivos fiscais e subsídios é forçando-o a fazer uma escolha errada", completa ele.

Segundo Steiner, o padrão se repete na agricultura, que recebe subsídios governamentais em torno de US$ 300 bilhões por ano. Os preços mais baixos fazem com que as pessoas se acostumem a consumir mais, o que pode significar um risco ao abastecimento mundial no futuro.

Bolo de casamento

A leoa Kamlesh, do zoo de Edimburgo (Escócia), cheira o bolo inspirado no casamento real colocado em seu recinto; diferentemente do bolo verdadeiro, este é salgado e recheado com carnes.

Exposição aborda biodiversidade do Brasil

Será inaugurada hoje na Universidade de Leipzig, na Alemanha, uma exposição da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) sobre a biodiversidade brasileira. O ponto de partida é a obra Flora Brasiliensis, editada entre 1840 e 1906 pelo botânico alemão Carl Philipp von Martius (1794-1868) - até hoje o mais completo levantamento sobre a flora brasileira e uma referência para estudos em botânica no mundo. Os 37 painéis que compõem a exposição, que fica aberta até 15 de julho, podem ser vistos na internet (www.fapesp.br/publicacoes/braziliannature) e têm legendas em português, alemão e inglês.

Minc diz que governo vetará 2 pontos

O ex-ministro do Meio Ambiente e atual secretário do Meio Ambiente do Rio, Carlos Minc, participou ontem de uma manifestação contra a reforma do Código Florestal em frente à Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). Ele disse que obteve garantias da atual ministra, Izabella Teixeira, de que o governo vai vetar pelo menos dois pontos polêmicos do relatório que propõe mudanças no Código Florestal. Um deles é a anistia aos desmatadores ilegais e o outro, a redução das Áreas de Preservação Permanente (APPs). / DANIELA AMORIM E TIAGO ROGERO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.