Planeta

Câmara debate hoje destino dos rejeitos nucleares

, O Estado de S.Paulo

15 Junho 2011 | 00h00

A polêmica em torno da transferência de rejeitos nucleares do Rio de Janeiro para Goiás será debatida hoje pela Câmara dos Deputados. "Goiás não será quintal de lixo das usinas nucleares", diz o deputado Ronaldo Caiado (DEM-GO), da Comissão de Seguridade Social e Família, onde o assunto será discutido. Em tese, o depósito de Abadia de Goiás, a 20 quilômetros de Goiânia - que abriga 3,5 mil metros cúbicos do lixo gerado pelo acidente com o césio 137, em 1987 - também receberia parte do rejeito das usinas nucleares.

Porém, as bancadas federal e estadual, ambientalistas e os reitores da Universidade Federal de Goiás (UFG) e da Pontifícia Universidade Católica (PUC) se mobilizam para anular a proposta. "Todos se prepararam para resistir ao lixo atômico", diz Odesson Alves Ferreira, presidente da Associação das Vítimas do Césio-137.

Apesar da polêmica, a Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) afirmou ontem não existir plano de transferência de lixo das usinas de Angra 1 e 2 para Abadia. "Não há nada definido", disse Leonardo Bastos Lage, diretor do Centro Regional de Ciências Nucleares do Centro-Oeste (CRCN-CO).

ESTADOS UNIDOS

Nova York deixa pódio de cidades mais sujas

Nova York (na foto, com lixo acumulado nas ruas) deixou o pódio das cidades mais sujas dos Estados Unidos, feita pela revista Travel + Leisure. Em seu lugar entrou New Orleans, na Louisiana. Nova York caiu para o quinto lugar na lista. O levantamento leva em conta críticas de leitores em relação a itens como quantidade de lixo nas ruas, poluição do ar, limpeza da água e presença de roedores. Apesar de ter sido escolhida como a mais suja, New Orleans foi eleita pelos leitores como "a cidade com o espírito mais festivo do país".

LAVA-LOUÇA

União Europeia pode banir fosfatos

A União Europeia (UE) pode proibir fosfatos em detergentes para lava-louças. Os fosfatos são prejudiciais à qualidade da água. A UE tem proposta de proibi-los em sabão para roupas a partir de 2013. A Comissão de Meio Ambiente do Parlamento Europeu aprovou a retirada desse ingrediente em detergentes para lava-louça a partir de 2015. Alemanha e França já têm limites para fosfatos em sabão para roupas. / AFRA BALAZINA, ANDREA VIALLI e RUBENS SANTOS, com AGÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.