Planeta

Francês projeta jardins para filtrar a poluição de rios e lagos

, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2011 | 00h00

O francês Thierry Jacquet, que acumula as funções de engenheiro, arquiteto, urbanista e horticultor, já criou 150 "jardins filtrantes" pelo mundo. Esses jardins servem tanto para despoluir rios como para tratar água da chuva e efluentes industriais. "A poluição difusa (levada com a chuva, como fuligem e lixo) é muito grande e deve ser tratada antes de chegar aos rios ou lagos. Precisamos organizar faixas de jardins filtrantes que tratem a poluição antes de ela chegar aos corpos hídricos. São barreiras verdes."

Entre seus projetos de jardins está um para melhorar a qualidade da água do Rio Sena, em Paris, e outros para a limpeza de margens de três rios em Xangai. Em visita ao Brasil, Jacquet está interessado no lago do Parque Ibirapuera. "Um piloto com uma parte da lagoa do Ibirapuera seria uma ótima primeira realização. Precisamos também cuidar dos rios que atravessam a cidade, para que a população volte a se aproximar deles", afirma. E sugere: "Por que não fazer uma piscina natural para a população em outro parque da cidade?"

Grandes empresas já encomendaram seu trabalho. Ele executou projetos para o tratamento de efluentes industriais para a Rhodia e a L"Oréal, assim como programas para tratar efluentes sanitários e água de chuva para o Carrefour e o Club Med.

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Ativistas querem meta mais forte da Europa

Ativistas do Greenpeace protestaram em Praga para que a União Europeia (UE) aumente a meta de corte de emissões de gases-estufa para 30% até 2020. Os europeus se comprometeram a reduzir em 20% as emissões. Na reunião da ONU sobre clima que terminou anteontem na Alemanha, a UE não aumentou a ambição. Diz esperar mais esforço de outros países. / AFRA BALAZINA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.