Planeta

Espécies de Nova Guiné estão sob ameaça

, O Estado de S.Paulo

28 Junho 2011 | 00h00

A ONG internacional WWF anunciou que 1.060 novas espécies foram descobertas na ilha de Nova Guiné entre 1998 e 2008, mas elas correm risco de extinção caso o desmatamento - que faz com que muitos animais percam seu hábitat - não seja controlado.

Entre as espécies descobertas se destacam um golfinho e um tubarão de 2,5 metros de comprimento. Entre os novos répteis encontrados estão três tipos de lagarto-monitor (o da foto acima é um deles). Em dez anos de trabalho, foram descobertos 218 plantas, 43 répteis, 12 mamíferos, 580 invertebrados, 134 anfíbios, 2 pássaros e 71 peixes.

Neil Stronach, representante da WWF, diz que "o relatório mostra que as florestas e rios da Nova Guiné se encontram entre os mais ricos e com maior biodiversidade do mundo". Mas também mostra que a descontrolada demanda humana pode levar esse rico ambiente ao colapso. Além do desmatamento, as ameaças são a mineração, o comércio de animais silvestres e a expansão da agricultura, em particular a exploração do óleo de palma. A ilha da Nova Guiné possui a terceira maior extensão de floresta do mundo e seu território é compartilhado por Indonésia, na parte ocidental, e Papua-Nova Guiné, na oriental.

RESÍDUOS SÓLIDOS

Caixa lança edital para projetos de gestão

A Caixa Econômica Federal (CEF) lançou uma chamada pública para implementar projetos na área de gestão de resíduos sólidos de construção e demolição. Poderão ser aplicados até R$ 3,8 milhões nos projetos realizados por consórcios públicos e prefeituras municipais com mais de 100 mil habitantes. Segundo a CEF, o investimento contribuirá com a Política Nacional de Resíduos Sólidos e tem como objetivo estimular a reciclagem de resíduos e seu reaproveitamento nas obras. Estima-se que entre 40% e 70% dos resíduos urbanos sejam de construção e demolição. Ao serem reaproveitados, os resíduos podem gerar renda. Porém, grande parte é descartada em locais impróprios.

CONVENÇÃO DE ROTERDÃ

Três pesticidas entram em "lista negra"

Os pesticidas endosulfan, alacloro e aldicarb foram incluídos na lista de substâncias perigosas pela Convenção de Roterdã, que regula o comércio internacional de produtos químicos perigosos e do qual o Brasil é signatário.

A partir de 24 de outubro deste ano será necessária uma permissão prévia do país destinatário antes de iniciar a importação - procedimento chamado de Consentimento Prévio Informado (PIC, na sigla em inglês).

"A inclusão dessas substâncias no procedimento PIC dá aos países o direito de saber quais riscos que estão tomando e como podem proteger a saúde pública e o meio ambiente", disse o secretário executivo da convenção, Jim Willis.

ESPÉCIE RARA

Cavalos chegam com sucesso à Mongólia

Quatro raros cavalos-de-przewalski chegaram a salvo a pastagens nativas da Ásia Central após uma épica jornada de avião e caminhão a partir da Europa. As três éguas e o garanhão da espécie, que foi extinta na natureza na década de 1960, fizeram um voo de 6 mil km com origem em um zoo da República Checa e, depois, uma viagem de caminhão de 280 km pela Mongólia, até atingirem a reserva Khomiin Tal. O diretor do zoo, Miroslav Bobek, qualificou a viagem de 52 horas de "sucesso". "Eles parecem se sentir em casa." Mas eles precisarão de várias semanas ou meses para se recuperarem e se acostumarem ao novo ambiente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.