Planeta

Em protesto, homem viverá por 5 semanas com leões

, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2011 | 00h00

Na Ucrânia, o artista Aleksandr Pylyshenko decidiu passar cinco semanas em uma jaula com um casal de leões para conseguir dinheiro para melhorar as condições de vida da espécie. Pylyshenko mantém Katya e Samsone em um zoológico particular em sua casa, em Vasilyevka. Ele faz campanha pela internet contra zoológicos particulares precários na Ucrânia.

Segundo a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN, na sigla em inglês), nos últimos 20 anos a população mundial da espécie caiu em 30%. Seu maior algoz é o homem.

ARTICULAÇÃO

Congresso lança frente em defesa dos animais

O Congresso Nacional já tem uma Frente Parlamentar em Defesa dos Animais. Criada com a assinatura de 212 deputados da oposição e do governo, ela conta com representantes de todos os Estados da Federação. O lançamento oficial acontece neste mês e o objetivo é tornar mais ágil o trâmite de projetos que tenham os animais como objeto principal. "Entre os temas que queremos abordar estão o abate humanitário, a caça ilegal em regiões de fronteira, o tráfico de animais silvestres e a questão do transporte de animais para abate", diz o deputado Ricardo Izar (PV-SP), que preside a frente.

Ele também adianta que uma das propostas discutidas é a criação de uma "CLT" da questão animal.

"Há várias leis tratando do tema, mas é preciso unificá-las", afirma. A frente se reunirá mensalmente e terá grupos de trabalho espalhados pelos Estados para fazer as articulações necessárias com as legislações estaduais sobre a matéria.

GRANDE SÃO PAULO

Cresce concentração de poeira, diz Cetesb

O Relatório Anual de Qualidade do ar da Cetesb 2010 mostra que os veículos foram a maior fonte de emissão de poluentes na Região Metropolitana de São Paulo. Houve também evolução das concentrações médias anuais de partículas inaláveis - a famosa poeira: em 2010, foram registrados 39 microgramas por m³, em 2009, foram 34 mcg./ KARINA NINNI, COM AGÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.