Planeta

ENTREVISTA

, O Estado de S.Paulo

01 de setembro de 2011 | 00h00

Hashem Akbari

FÍSICO E PROFESSOR DA CONCORDIA UNIVERSITY EM MONTREAL (CANADÁ)

"O preço de um telhado branco é o mesmo de um com outra cor"

A Câmara Municipal de São Paulo discute há algum tempo o projeto de lei 615/2009, do vereador Antonio Goulart - a chamada Lei do Telhado Branco. A ideia, além de reduzir as temperaturas na cidade, é cortar custos com energia e, de quebra, emitir menos carbono. Expert na matéria, o físico iraniano Hashem Akbari, que esteve em São Paulo para o 2.º Greenbuilding Brasil, nesta semana, falou ao Estado sobre o assunto:

A Grande São Paulo é uma região de quase 20 milhões de habitantes. Qual sua experiência na aplicação das superfícies brancas em cidades desse tamanho?

É perfeitamente aplicável em grandes cidades. Qualquer telhado tem de ser reformado a cada 10, 20 anos, porque ele se deteriora, seja plano ou inclinado. É aí que o cidadão vai trocar a cor do seu telhado. Sem custo adicional. Ele vai fazer uma manutenção de rotina e aproveita para trocar a cor.

Mas se todo mundo procurar telhados brancos, o preço não vai subir?

Não, o preço vai baixar, porque aí começa a produção em massa e todas as empresas vão competir por uma fatia do mercado.

A tecnologia avança. Atualmente, dependendo do produto que se usa, o preço de um telhado branco é o mesmo que o de outra cor. Mas todo mundo sai ganhando se usamos os telhados brancos.

Quanto realmente se evita de emissões ao trocar a cor de um telhado ou uma superfície?

A cada 10m² de telhado comum trocado por um branco se deixa de emitir 1 tonelada de CO2 para a atmosfera. Isso é correspondente às emissões anuais de um carro.

Se todos os telhados do mundo fossem pintados de branco, quanto deixaríamos de emitir?

Entre 44 e 80 gigatoneladas, o que corresponde a cerca de dois anos de emissões mundiais.

Você está negociando a entrada de São Paulo na Global Cool Cities Alliance. Como estão as negociações?

Estive com o secretário municipal de Meio Ambiente e ele se mostrou muito interessado. E disse que no mês que vem terá uma posição a respeito do comprometimento de São Paulo.

MÉXICO

Mudança climática incentiva migração

As mudanças climáticas estão desempenhando papel fundamental no incentivo à migração de mexicanos para os Estados Unidos, segundo estudo do banco BBVA. O estudo cita uma pesquisa do Mexican Migration Project (MMP), com base em entrevistas feitas em 19.906 domicílios mexicanos e 922 americanos, realizadas entre 1982 e 2009. De 161.832 casas visitadas em comunidades de migrantes, 139.470 não têm terra para plantar, 14.322 possuem terras áridas e 5.533 usam irrigação. "A erosão do solo e as mudanças nos padrões de chuva têm sido um impulso adicional para a migração", diz o documento. / KARINA NINNI, com AGÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.