Plano de negócios tenta salvar tigres da extinção

A Sociedade de Conservação da Vida Selvagem (WCS) lançou um ambicioso programa que pede por um aumento de 50% no número de tigres em áreas chave, durante a próxima década, de acordo com um artigo na revista Nature desta semana. A nova iniciativa, chamada "Tigres Para Sempre", combina um modelo administrativo com ciência, e já atraiu a atenção de capitalistas de risco, que garantiram uma quantia inicial de US$10 milhões para suportá-la.O programa envolve uma dúzia de áreas da WCS em que vive um número estimado de 800 tigres. Apoiando-se no sucesso da WCS em lugares como o Parque Nacional Nagarahole, na Índia, e o Extremo Leste da Rússia, em que os números de tigres voltou ao normal, o novo plano diz que o número de tigres pode crescer para aproximadamente 1.200 indivíduos nessas áreas. A população total de tigres continua um mistério, apesar de alguns cientistas acreditarem que entre 3 mil e 5 mil continuem na selva.O plano pede que se trabalhe próximo das autoridades locais e outros parceiros para ganhar conhecimento de base sobre os tigres em lugares como o Vale Hukawng em Mianmá - a maior reserva de tigres do mundo - enquanto realiza atividades contra a caça em outras áreas, incluindo as reservas protegidas de Huai Kha Khaeng e Thung Yai, na Tailândia. Em alguns lugares, como o Extremo Leste da Rússia, o número de tigres pode não aumentar mais do que sua atual população estimada, de 500 animais.Por outro lado, a região altamente produtiva de Ghats Ocidental, na Índia, pode ver um aumento de até 60%. Áreas em Laos e Camboja, onde os números atuais de tigres pode ser de menos de dez indivíduos, podem ver os números de tigres quadruplicarem durante a próxima década.

Agencia Estado,

06 de julho de 2006 | 16h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.