Plantio de palma emite mais do que se pensava, diz levantamento

Um novo estudo calculou que as plantações de óleo de palma emitem 50% de CO2 além do que se imaginava previamente. Os cientistas alertam que a demanda por biocombustíveis verdes pode ter um custo para a Terra.

O Estado de S.Paulo

07 de novembro de 2011 | 03h06

A pesquisa da Universidade de Leicester virou um paper do Conselho Internacional de Transporte Limpo.

Para os experts, a estimativa mais próxima da realidade em matéria de emissões do plantio de palma são 86 toneladas de dióxido de carbono por hectare/ano. Os valores anteriores pontuavam 50 toneladas por hectare/ano. "Embora impactos climáticos do cultivo de palma em áreas úmidas sejam hoje mais conhecidos, as estimativas de emissão foram tiradas de um número restrito de estudos e a maioria subestimou a escala de emissões. Produzidos assim, biocombustíveis não são uma fonte sustentável", diz Ross Morrison, do Departamento de Geografia da Universidade de Leicester.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.