Plataforma da Petrobras registra vazamento de gás e petróleo, diz sindicato

A Petrobras registrou um vazamento de petróleo, gás natural e de sulfeto de hidrogênio em uma de suas plataformas no dia 21 de janeiro, disse o sindicato dos petroleiros.

Reuters

28 de janeiro de 2014 | 21h04

O vazamento na plataforma P-7, no campo Bicudo, na Bacia de Campos, a nordeste do Rio de Janeiro, aconteceu quando os trabalhadores estavam testando um poço ligado à plataforma. Com a pressão, seis parafusos de um medidor de calibração foram arremessados, afirmou o sindicato em comunicado divulgado em seu site na segunda-feira.

Os trabalhadores levaram 30 minutos para controlar o vazamento, segundo o Sindipetro Norte-Fluminense.

"Por sorte, ninguém foi atingido", disse o diretor do sindicato Marcos Breda à Reuters.

"Ninguém ficou ferido, mas a gás natural e sulfeto de hidrogênio são tóxicos, e poderiam ter explodido se houvesse uma fonte de calor. Isto poderia ter sido muito mais grave."

Não houve derramamento de óleo no oceano, disse Breda.

A Petrobras não respondeu aos pedidos por e-mail e telefone para comentar o assunto.

Uma série de acidentes em plataformas mais antigas da Petrobras na Bacia de Campos levou o governo a forçar a empresa a realizar manutenção de emergência em muitas unidades de produção mais antigas.

Isso ajudou a reduzir a produção e receita da estatal por dois anos. Uma série de acidentes em refinarias também forçou a empresa a importar mais combustíveis como diesel e gasolina recentemente.

O sulfeto de hidrogênio é um gás tóxico encontrado em poços de petróleo e gás natural. A P-7 está em operação há três décadas, e é uma das mais antigas da Petrobras.

A plataforma, localizada a 120 quilômetros da costa, registrou um acidente de 2001, que resultou no derramamento de 164 barris de petróleo no oceano.

(Reportagem de Jeb Blount)

Mais conteúdo sobre:
ENERGIAPETROBRASVAZAMENTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.