Gildo Mendes|Estadão
Gildo Mendes|Estadão

Plataformas apostam em dados e mobilidade

Sites e aplicativos investem em análise de informações para atender melhor o cliente

Anna Carolina Papp, O Estado de S. Paulo

15 Abril 2016 | 05h00

Em sites e aplicativos de compra e venda de imóveis, os consumidores têm acesso a um volume cada vez maior de informações. Essas plataformas digitais apostam pesado em “big data” (análise de um grande volume de dados) para tornar as buscas cada vez mais completas e precisas. O investimento em análises estatísticas tem por objetivo transformar os dados em informação valiosa, para atrair incorporadoras, imobiliárias e usuários.

“A falta de informação sempre foi um problema no mercado imobiliário”, afirma Eduardo Schaeffer, presidente do Zap Imóveis. “Precisamos de instrumentos para conseguir dados desse mercado.”

Desde o ano passado, a empresa, que já atuava no campo das pesquisas com o FipeZap – índices sobre o setor em parceria com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe) –, resolveu expandir a área de inteligência imobiliária com a DataZap.

A equipe desenvolve estudos regionais e setoriais, análises de risco, retorno de carteiras de ativos e os chamados AVMs – modelos estatísticos que estimam o valor do imóvel por meio de um banco de dados, levando em conta variáveis como tamanho, localização, vista e demanda.

“Índices são importantes, mas são visões médias do mercado, e escondem muitas diferenças”, explica Schaffer. No Itaim Bibi, por exemplo, uma vaga de garagem vale mais do que uma suíte na composição de preço, e apartamentos menores têm metro quadrado mais caro. “Por isso, é importante ir além da média e estudar as particularidades de cada ponto e de cada imóvel”, complementa.

Geolocalização. A internet já chegou a metade dos lares brasileiros, segundo os últimos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, do IBGE. Em 2014, o País registrou pela primeira vez um acesso maior via celular do que por computador. No setor imobiliário, esse é um nicho particularmente importante por conta das ferramentas geolocalizadas, que identificam o lugar em que o usuário está para mostrar e sugerir imóveis.

Foi com o foco em mobilidade que Ado Fonseca criou o aplicativo Moving Imóveis, que, além de mostrar o imóvel e estatísticas de preço em uma determinada região, permite que o usuário explore o bairro, mostrando serviços como restaurantes e escolas. “Temos de ir onde o cliente está e hoje a informação está na ponta dos dedos”, diz Fonseca.

Criado em 2009 pelo americano Brian Requarth, o site VivaReal conta com equipe de tecnologia dedicada ao levantamento de dados. Para expandir essa área, o site firmou uma parceria com a empresa de inteligência Geoimovel. “O próximo grande desafio do Brasil é obter dados não só sobre o preço de oferta, mas sobre o preço final do negócio – do contato à transação”, diz Requarth.

Mais conteúdo sobre:
FipePnadIBGEBrasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.