PM deve ocupar Mangueira no domingo para nova UPP

A Polícia Militar (PM) deve ocupar no domingo o Morro da Mangueira, na zona norte do Rio de Janeiro, para a instalação da 18.ª Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na cidade. A operação fechará o cinturão de segurança da região previsto para a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016. Na segunda quinzena de maio, o governo do Estado anunciou que ocuparia a favela, apontada como um dos principais entrepostos do Comando Vermelho para a distribuição de drogas aos demais morros dominados pela facção criminosa.

PEDRO DANTAS, Agência Estado

15 Junho 2011 | 18h57

A estimativa é que futura UPP conte com 250 homens para patrulhar a Mangueira, além dos morros vizinhos do Tuiuti e Telégrafos. O objetivo do governo estadual é que o trajeto até o complexo esportivo (Maracanã) possa ser feito desde a turística zona sul, passando pelo centro da cidade, sem que o visitante ou o carioca passe ao lado de favelas dominadas por traficantes. As únicas exceções ainda são as favelas da Rocinha e do Vidigal, em São Conrado (zona sul), que ainda permanecem controladas por traficantes da facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA).

O aviso prévio da ocupação causou desconforto na cúpula da Segurança Pública do Rio. Policiais do Setor de Inteligência avaliavam que se a operação fosse sigilosa, eles poderiam apreender mais drogas e até prender traficantes. No entanto, o governador do Rio, Sérgio Cabral, e o comandante do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), Rene Alonso, já defenderam em várias ocasiões a chamada "guerra avisada" para evitar confrontos e não despertar a antipatia dos moradores das favelas contra a UPP.

Desde o anúncio da ocupação da Mangueira, em maio, o Bope realizou incursões na favela para enfraquecer o tráfico. Um traficante foi morto. Segundo os moradores, as principais lideranças criminosas tráfico já deixaram a favela. Entre os fugitivos estaria o traficante Alexander Mendes da Silva, o Polegar, de 35 anos, Em setembro de 2009, mesmo acusado de quatro homicídios na prisão, ele progrediu ao regime aberto "por bom comportamento", mas nunca voltou para dormir na cadeia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.