PM reforça segurança no Leme após jovem ser baleado

Estudante caminhava no calçadão quando foi atingido; a cerca de 1 km, polícia trocava tiros com traficantes

Talita Figueiredo , O Estado de S.Paulo

09 Janeiro 2009 | 16h12

A Polícia Militar reforçou com 20 homens nesta sexta-feira, 9, o policiamento no Leme, na zona sul do Rio, onde um estudante de 27 anos foi baleado na perna na noite de quinta-feira. Peter Peret Lupo caminhava pelo calçadão da Praia do Leme, na Avenida Atlântica, quando foi atingido por um tiro no calcanhar esquerdo. No momento, PMs trocavam tiros com traficantes do Morro Chapéu Mangueira, a cerca de um quilômetro da praia. Na ação, um sargento PM foi atingido por estilhaços de bala em uma das mãos. Ambos passam bem. Veja também:Rio registra menor índice de homicídios no 1º semestre de 2008Cai número de vítimas de balas perdidas no RJ, aponta relatório O comandante do 19.º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Edson Almeida, disse que uma equipe de policiais foi para o Chapéu Mangueira no início da noite de quinta-feira, porque o batalhão havia recebido uma denúncia de que traficantes do morro da Babilônia se preparavam para invadir o Chapéu Mangueira. "Acho que foi a primeira vez que uma bala perdida atingiu uma pessoa no calçadão. Vamos continuar atuando na região para impedir que isso volte a acontecer", disse o coronel.  Peter, que estuda Informática na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), caminhava na orla com a noiva, Cristina Teles. Eles moram em Copacabana há cerca de quatro meses e ficaram muito assustados com o tiroteio, que fez com que outras pessoas corressem com medo. Por causa do horário de verão, ainda estava claro na hora do incidente e havia muitas pessoas caminhando no calçadão. Depois de ser baleado, ele foi atendido por uma ambulância do SAMU e levado para o Hospital Miguel Couto, no Leblon. Em seguida, foi transferido para o hospital particular São Lucas, em Copacabana, onde foi operado. O estado de saúde dele é bom e, segundo os médicos, ele deverá ser liberado hoje. O sargento PM, cujo nome não foi divulgado, fez curativos no Hospital da PM e foi liberado em seguida.

Mais conteúdo sobre:
violênciaRioLemesegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.