PM-RJ identifica mais um plano para matar deputado

A Coordenadoria de Inteligência da Polícia Militar do Rio de Janeiro identificou mais um plano para tentar executar o deputado estadual e pré-candidato do PSOL à Prefeitura da capital fluminense, Marcelo Freixo. Presidente da CPI das Milícias da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), o parlamentar anda cercado de seguranças e é alvo de ameaças desde a conclusão dos trabalhos da comissão, em dezembro de 2008, cujo relatório final propõe o indiciamento de 225 pessoas ligadas a atividades paramilitares em comunidades carentes do Estado.

ALFREDO JUNQUEIRA E FELIPE WERNECK, Agência Estado

10 de outubro de 2011 | 19h46

De acordo com o ofício enviado à Alerj, o ex-cabo da PM Carlos Ary Ribeiro, o Carlão, estaria articulando o assassinato de Freixo. O ex-policial está desaparecido desde o início de setembro, quando fugiu do Batalhão Especial Prisional (BEP). Segundo o documento da Coordenadoria de Inteligência, Carlão receberia R$ 400 mil para matar o deputado. O miliciano já teria informações sobre a rotina, os horários e trajetos percorridos pelo parlamentar.

O pagamento pela execução seria feito pelo também ex-PM Tony Angelo de Aguiar, o Erótico, apontado pelo Ministério Público do Rio como um dos líderes da milícia Liga da Justiça - grupo paramilitar mais antigo em atividade no Rio e que foi criado pelos ex-deputado Natalino Guimarães e o ex-vereador Jerônimo Guimarães, o Jerominho. Os dois são irmãos, ex-inspetores da Polícia Civil e estão cumprindo pena de 10 anos em presídio federal fora do Rio.

"Recebemos vários informes do Disque Denúncia. Plano identificado pelos serviços de inteligência não aparecia há algum tempo. Mas a coisa piorou desde a morte da juíza Patricia Acioly. As ameaças aumentaram. Se fizeram com uma magistrada, por que não fariam com um deputado?", questionou o parlamentar.

Segundo Freixo, apesar de ter prendido milicianos, o governo do Rio ainda não fez nada contra a estrutura econômica dos paramilitares. "Fizemos na CPI 58 propostas para enfrentar o poder econômico e político das milícias. Nada mudou até agora. Além de prender esses bandidos, tem que tirar o poder aquisitivo que vem do gatonet (exploração de sinal clandestino de TV a cabo), da venda ilegal de gás, do domínio sobre o transporte alternativo", alertou Freixo.

O caso chamou a atenção do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que participou de evento sobre segurança hoje na Associação Comercial do Rio. Para ele, o País precisa de uma política "mais efetiva e mais eficaz" para a proteção de parlamentares, juízes e membros do Ministério Público ameaçados. "Acho que estamos ainda aquém daquilo que precisamos fazer", declarou Cardozo, no Rio. Segundo o ministro, o efetivo da Polícia Federal não é suficiente hoje para cobrir autoridades estaduais em todo o País. "Até para as (autoridades) federais temos insuficiência", disse.

Mais conteúdo sobre:
planomortedeputado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.