PM-SP ampliará período de operação da lei seca

A sequência de mortes e pessoas feridas em acidentes de trânsito envolvendo motoristas embriagados levou a Polícia Militar a ampliar os horários de fiscalização da lei seca na capital paulista. As operações, que antes terminavam às 4 horas, agora vão até as 6 horas. A medida passa a valer hoje e foi anunciada ontem com exclusividade à reportagem. Para ampliar a ação, a PM ainda começa a testar bafômetros a distância.

CAMILA HADDAD E CIDA ALVES, Agência Estado

21 de outubro de 2011 | 07h17

Nas últimas três semanas, foram registrados nas ruas de São Paulo pelo menos 15 acidentes graves em que o condutor do carro aparentava sinais de embriaguez. Oito deles aconteceram depois das 4 horas. O foco das blitze agora estará voltado para o jovem que sair mais tarde de casas noturnas, sobretudo nas regiões de Pinheiros, na zona oeste, e Itaim-Bibi, na zona sul.

Outra medida que promete fechar o cerco contra infratores é a utilização nas abordagens nas estradas paulistas de um bafômetro que detecta se o condutor bebeu, sem que ele precise assoprar o aparelho, o etilômetro passivo. "A intenção é fazer com esse aparelho uma triagem daqueles motoristas que serão encaminhados para o bafômetro tradicional. Isso aumentará o número de motoristas fiscalizados e dispensará mais rápido aqueles que não beberam", explicou o comandante do Policiamento Rodoviário, coronel Jean Charles de Oliveira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
polícialei secaSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.