PMDB rompe aliança e entrega cargos

Já abandonado por PSDB, PSB, PDT, PPS e PV, Arruda fica mais isolado

Vannildo Mendes, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

08 Dezembro 2009 | 00h00

Por unanimidade, o diretório regional do PMDB decidiu ontem romper a aliança com o governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (DEM), e entregar os quatro cargos que ocupa no primeiro escalão do Executivo. A saída do partido aumenta ainda mais o isolamento de Arruda, alvo de pedidos de impeachment na Câmara Distrital, sob a acusação de comandar o "mensalão do DEM".

Por causa das denúncias, já haviam abandonado a aliança PSB, PDT, PPS, PSDB e PV. A decisão do PMDB deixa vagos os cargos de chefe de gabinete do governador, a presidência da Novacap (estatal que cuida das obras públicas), a chefia da Administração do Plano Piloto, que comanda a principal região administrativa do DF, e a diretoria da Companhia de Desenvolvimento do Planalto (Codeplan), responsável pelos gastos de custeio da máquina.

"Os fatos são muito graves e, de nossa parte, cessou o compromisso de apoiamento político ao governador", disse o presidente do diretório, deputado federal Tadeu Filippelli. Ele afirmou que o afastamento "foi profundamente debatido" e adotado de forma consensual. "Ficamos com o coração em paz por traduzir um sentimento do partido."

Filippelli não quis opinar se Arruda deve renunciar ao cargo imediatamente para evitar o desgaste e abrir caminho para uma solução política entre as forças locais. "Ele é do DEM e nós respondemos pelos atos do PMDB", afirmou, referindo-se aos quadros do próprio partido flagrados em fitas de vídeo recebendo ou negociando dinheiro.

Entre eles, estão a líder do governo na Câmara Legislativa, deputada Eurides Brito, que foi flagrada colocando dinheiro de propina em uma bolsa e o chefe de gabinete, Fábio Simão, citado pela PF como um dos principais personagens do esquema.

Filippelli avisou que não vai prejulgar ninguém, antes da conclusão do inquérito, mas mandou um alerta aos que tentarem resistir à decisão do partido. "Nós não recomendamos, nós determinamos o afastamento imediato de todos os quadros do PMDB no governo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.