?Poder paralelo é inadmissível', diz Cabral

O governador do Rio, Sérgio Cabral Filho (PMDB), criticou nesta quinta-feira, 6, a ação de justiceiros como os que agrediram um adolescente no Flamengo (zona sul da capital fluminense), na sexta-feira, 31, ou o que matou a tiros acusado de assaltos em Belford Roxo, na Baixada Fluminense.

AE, Agência Estado

06 de fevereiro de 2014 | 20h25

"Repudiamos qualquer ação de milicianos ou justiceiros. Qualquer poder paralelo é repudiado. Perseguiremos e prenderemos essas pessoas. Poder paralelo, no meu governo, é inadmissível. Não tem acordo", afirmou, durante inauguração de uma unidade de saúde em Duque de Caxias, também na Baixada Fluminense.

"Nosso governo reagirá a justiceiros, perseguindo e prendendo esses assassinos", concluiu. Cabral destacou ainda o combate aos milicianos, que, de acordo com ele, se intensificou durante a gestão. O secretário de Estado de Segurança, José Mariano Beltrame, também repudiou a existência de grupos de justiceiros e determinou investigação dos casos.

Tudo o que sabemos sobre:
JusticeirosCabral

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.