Polícia apura morte de bebê pronto-socorro de SP

Representantes do hospital afirmam que a parada cardiorrespiratória teria sido causada por aspiração de leite

AE, Agência Estado

09 Dezembro 2008 | 09h39

Um bebê de 2 meses morreu na madrugada de anteontem no pronto-socorro Seisa, em Guarulhos, na Grande São Paulo, após sofrer parada cardiorrespiratória. Os pais da criança, Cristiane Hermínio dos Santos, de 24 anos, e Ricardo Hermínio Saturnino, de 31, suspeitam de erro médico. Representantes do hospital afirmam que a parada cardiorrespiratória teria sido causada por aspiração de leite durante a amamentação.O caso foi registrado no 1º Distrito Policial de Guarulhos como homicídio culposo. Segundo informações do boletim de ocorrência, a menina Miriã Hermínio Saturnino chegou ao hospital às 20h45 de sábado com febre alta e dor de ouvido. Após diagnóstico de pneumonia, a médica que atendeu a criança teria prescrito os antibióticos amicacina e cristalina e também o antitérmico dipirona. Por engano, a auxiliar de enfermagem teria administrado aminofilina, um broncodilatador usado no tratamento de asma e insuficiência respiratória.A mãe da menina conta que assim que recebeu os medicamentos Miriã passou mal e morreu logo em seguida. ?É mentira que minha filha chegou ao hospital com febre alta. Ela tinha apenas uma dor de ouvido. Não tenho certeza se foi erro médico. Só sei que Miriã chegou bem ao hospital, sorrindo, e saiu morta?, diz Cristiane. O gerente-técnico da Seisa, Dárcio Damiani, diz que a mãe foi levada a acreditar na hipótese de erro médico por causa de uma falha de comunicação entre a médica e a enfermeira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
MortebebêGuarulhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.