Polícia avalia prisão de homem que atropelou 2 em GO

O motorista Carlos Baromeu Dias, 44 anos, que se apresentou como o homem que atropelou duas manifestantes na BR 251, em Cristalina (GO), foi ouvido nesta quarta-feira na delegacia da cidade. A Polícia Civil avalia até quinta-feira, 27, se pede ou não a prisão temporária dele. As vítimas do atropelamento, Valdinete Rodrigues Pereira, de 40 anos, e Maria Aparecida, de aproximadamente 50, morreram no local e o condutor fugiu sem prestar socorro.

MARÍLIA ASSUNÇÃO, Agência Estado

26 de junho de 2013 | 19h17

O delegado de Cristalina, Vítor Oliveira Magalhães, informou nesta quarta-feira que o suspeito reiterou o primeiro depoimento, prestado em Unaí, onde Baromeu Dias se apresentou à Polícia Civil na terça-feira, 25, escapando do flagrante pelo atropelamento que causou a morte das duas mulheres que participavam de um bloqueio na rodovia.

"Ele manteve a versão de que havia pouca luz, que a fumaça atrapalhou ver que se tratava de uma manifestação, e disse que freou bruscamente, mas não foi possível evitar a colisão". O delegado também informou que o suspeito negou ter ateado fogo ao carro que dirigia, um Fiat Uno. "Ele disse que telefonou para um cunhado e foi para Unaí". Vítor vai até o local do acidente nesta quinta, ouvir oito moradores da localidade que testemunharam o atropelamento.

Sindicalista e comerciário

Baromeu Dias é um sindicalista que disputou eleições em Unaí (MG) para vereador pelo Partido dos Trabalhadores (PT) em 2004 e pelo Partido Humanista da Solidariedade (PHS) em 2008. Na cidade ele é ligado ao sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Unaí. Atualmente mora e trabalha em Brasília.

Quando compareceu na delegacia em Unaí, Baromeu Dias informou que é comerciário, o mesmo dado que consta no site Quadro Político, que reúne informações das eleições em diferentes cidades, relacionando os pleitos disputados por ele, as suas legendas partidárias e o número de votos que obteve nas urnas. Outros portais apontam a atuação política dele em Unaí, por exemplo levando autoridades de Brasília para eventos na cidade.

Mais conteúdo sobre:
protestosGoiâniaatropelamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.