Reprodução
Reprodução

Polícia britânica pede desculpas por cartaz sobre estupro

Segundo ONG, campanha dava a entender que, ao frequentar festas e beber, vítimas teriam responsabilidade nos abusos

BBC Brasil, BBC

03 de agosto de 2012 | 05h57

LONDRES - A polícia inglesa pediu desculpas por uma campanha anti-estupro que ativistas classificaram como "inapropriada". Segundo a ONG Centro de Apoio às Vítimas de Estupro e Abuso Sexual de Worcestershire, a campanha "Uma Noite Segura", da polícia da região de West Mercia, culpava vítimas que haviam bebido por casos de agressão sexual.

 

"Não é o álcool que causa estupro, embora ele seja um fator de vulnerabilidade. Os estupradores são os responsáveis pelo estupro", disse Jocelyn Anderson, representante da ONG.

O cartaz da campanha foi distribuído por bares da região em julho. Ele mostra uma mulher divertindo-se em uma festa e logo em seguida caída no chão, em aparente sofrimento. "Não deixe uma noite cheia de promessas terminar em uma noite cheia de arrependimento", diz.

Desculpas

 

"Se a campanha causou angústia, esse não era o nosso objetivo, então peço desculpas por isso. Seu objetivo não era culpar as vítimas, mas difundir informações que possam ajudar", disse o representante da polícia de West Mercia Ivan Powell. "Entendo algumas preocupações sobre a natureza do cartaz, mas gostaria de sublinhar que estávamos tentando dar informação para as potenciais vítimas sobre como elas podem evitar tornar-se vulneráveis."

Segundo Anderson, o problema é que o cartaz sugere que se não beberem as mulheres podem evitar o estupro. "Eu acho ótimo que a polícia tenha percebido que estava passando uma mensagem errada e admitiu que estava errada." No ano passado, um movimento de protesto ganhou as ruas de vários países após um policial de Toronto, no Canadá, ter sugerido que as estudantes do sexo feminino deveriam evitar se vestir como "vagabundas" para não serem vítimas de assédio sexual.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
alsoestuprocrimespolicia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.