Polícia de Alagoas encontra servidora desaparecida há um ano

Funcionária da Universidade Federal de Alagoas diz que agiu sem pensar, porque queria se afastar da família

Ricardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2008 | 18h32

A Polícia Civil de Alagoas divulgou nesta sexta-feira, 16, que localizou a servidora pública Maria Valéria Marinho Maia, de 48 anos, que estava desaparecida há quase um ano. Funcionária da Universidade Federal de Alagoas (Ufal), Maria Valéria foi encontrada na tarde de quinta-feira na casa de uma amiga, no bairro Alto do Céu, em Maceió.   O desaparecimento de Maria Valéria ganhou repercussão nacional, a ponto da Procuradoria-Geral da República pedir informações sobre o inquérito que apurava o caso. Entidades de defesa dos direitos humanos e a Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL) também acompanhavam o sumiço da servidora da Ufal.   Segundo a delegada Luci Mônica, diretora do Departamento de Estatística e Informática da Polícia Civil, as pistas sobre o paradeiro de Maria Valéria começaram a aparecer depois que uma amiga, de nome Alessandra, foi até a Universidade para tentar pegar documentos da servidora. Um funcionário da Ufal, pediu para a amiga da servidora voltar outro dia e comunicou à polícia.   De posse dessa informação, dois policiais foram até a Ufal e falaram com Alessandra. A amiga da servidora foi conduzida à delegacia-geral da Polícia Civil, onde confirmou que Maria Valéria estava em sua residência, localizada na Rua Santo Antônio, no Alto do Céu. "Fomos até o local e a encontramos", explicou a delegada.   Na tarde de quinta, Maria Valéria prestou depoimento à delegada Luci Mônica, mas disse apenas que saiu de casa por questões pessoais e prefere não revelar os motivos. A servidora federal disse ainda que pretende retornar aos trabalhos na Ufal, apesar de já ter sido demitida por abandono de emprego.   "Não desejo retornar para residência de minha família. Sinto muito pelos transtornos que causei para os meus familiares. Foi tudo ato impensado. Agi sem razão, só com emoção. Simplesmente, meu desejo era apenas me afastar da vida que levava", afirmou Maria Valéria, em seu depoimento.   A polícia investiga uma versão de que a servidora pública estaria sendo extorquida e por isso resolver abandonar a casa e o emprego. "Como ela agora foi encontrada, vamos investigar todos esses fatos para saber ao certo o que de fato ocorreu", concluiu a delegada.

Mais conteúdo sobre:
Ufalpolícia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.