Polícia de MG investigará causas de acidente com avião

A Polícia Civil mineira instaurou inquérito nesta segunda-feira para investigar as causas do acidente com o bimotor King Air que resultou na morte de oito pessoas no sábado (28). Ainda nesta segunda-feira, técnicos do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aéreos (Cenipa) terminaram de recolher destroços que também vão ser usados para tentar apurar o que causou a queda da aeronave.

MARCELO PORTELA, Agência Estado

30 de julho de 2012 | 20h14

O avião, de prefixo PR-DOC, havia saído do Aeroporto da Pampulha, em Belo Horizonte, e caiu em uma pousada em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, quando se preparava para aterrissar no Aeroporto Francisco Álvares Assis, conhecido como aeroporto da Serrinha. A aeronave explodiu após a queda e ninguém a bordo sobreviveu. Entre os mortos estava o empresário Domingos Costa, de 58 anos, proprietário da empresa Vilma Alimentos, e seu filho Gabriel Barreira, de 14, além de quatro executivos da companhia e o piloto e co-piloto.

O inquérito da Polícia Civil ficará a cargo do delegado Roney Cabral, de Juiz de Fora. A caixa preta da aeronave já está com uma equipe do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), ligado ao Cenipa, que vai verificar o que ocorreu nos últimos momentos do voo. Ao se aproximar do aeroporto, o piloto Jair Barbosa, de 62, foi avisado de que não havia condições de pouso devido por causa de neblina.

De acordo com a polícia, uma perícia foi realizada no local do acidente pouco após a queda e ainda nesta semana devem ter início os depoimentos dos funcionários da pousada Aconchego de Minas, onde estavam 58 hóspedes no momento do acidente. O delegado também quer ouvir funcionários do aeroporto. Tanto o piloto quanto a aeronave estavam em situação regular. Segundo a polícia, as investigações realizadas pela Aeronáutica também vão ser anexadas ao inquérito.

Tudo o que sabemos sobre:
acidente aéreoinvestigações

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.