Polícia de Mianmar acaba com protesto de agricultores sem-terra

A polícia de Mianmar interrompeu uma manifestação nesta quinta-feira de cerca de 60 agricultores sem-terra, um raro protesto que testa o compromisso do novo governo civil com as reformas após décadas de supressão brutal dos dissidentes.

REUTERS

27 Outubro 2011 | 10h07

Policiais da tropa de choque confiscaram placas e ordenaram que os manifestantes saíssem pacificamente depois de terem protagonizado uma manifestação diante de um prédio do governo na maior cidade do país, Yangun, para reclamar da expulsão de suas terras agrícolas.

"Nós abordamos o parlamento pedindo ajuda, mas nada aconteceu, então decidimos levar a questão para a rua", disse Pho Phyu, advogado e ativista que faz campanha pelos direitos dos agricultores.

Manifestações são raras em Mianmar, país controlado pelo Exército por cinco décadas até a eleição no ano passado que colocou no poder um novo governo civil.

O novo governo recentemente se aproximou da líder pró-democracia Aung San Suu Kyi, libertou mais de 200 prisioneiros políticos e prometeu buscar reformas econômicas e sociais.

Pho Phyu disse que as autoridades haviam confiscado cerca de 4.050 hectares de terra em posse de cerca de 1.000 agricultores, que receberam apenas uma pequena quantia como compensação.

"Inicialmente, eles prometeram que seria desenvolvida agricultura em conjunto entre os agricultores e empresários privados nessas terras, mas nada aconteceu", afirmou o ativista.

O presidente Thein Sein prometeu oferecer microempréstimos e garantias de preços para melhorar o padrão de vida de milhões de agricultores em um país que depende da agricultura, a qual representa cerca de 40 por cento de seu Produto Interno Bruto.

(Reportagem de Aung Hla Tun)

Mais conteúdo sobre:
MIANMARPROTESTOAGRICULTORES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.