Polícia de Minas ouve depoimento de primo de Bruno

Jorge Rosa Sales, primo do goleiro Bruno Fernandes, que afirmou saber onde está enterrado o corpo de Eliza Samudio, ex-amante do atleta que está desaparecida desde 2010, prestava depoimento na noite desta quinta-feira, 24, a policiais do Departamento de Investigação de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil mineira.

MARCELO PORTELA, Agência Estado

24 de julho de 2014 | 20h25

O rapaz já apresentou pelo menos três versões para o crime e a o chefe do DHPP, delegado Wagner Pinto, quis ouvir novamente o depoimento do rapaz para checar a veracidade das declarações antes de determinar novas buscas. Em entrevista a uma rádio mineira, Sales alegou que o corpo da modelo não foi esquartejado conforme se pensava e estaria em um "sitiozinho próximo ao aeroporto de Confins" que estaria "praticamente abandonado".

"Ela (Eliza) não foi retalhada, segundo o Jorge", disse o advogado Nélio Andrade, que representa Sales e revelou que seu cliente teria contado que o corpo da jovem foi enrolado em um lençol e posto dentro de um saco fechado com zíper. O advogado acompanhou o rapaz com uma equipe do Comando de Operações Especiais (COE) da polícia fluminense até Vespasiano, na região metropolitana da capital mineira, onde Jorge teria identificado o "sitiozinho". O local é próximo à residência do ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola", condenado pelo assassinato de Eliza.

De acordo com Nélio Andrade, o rapaz "chorou" ao chegar ao local onde ela teria sido enterrada. Segundo o advogado, seu cliente resolveu contar onde estão os restos mortais para "se livrar de um peso, uma culpa" que o persegue pelo envolvimento no crime. Bruno foi condenado no ano passado a uma pena de 22 anos e três meses de prisão pelo sequestro e assassinato de Eliza.

Mais conteúdo sobre:
caso brunoeliza samudiocorpo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.