Polícia de SP indicia quatro pela morte de Grazielly

A Polícia Civil de São Paulo indiciou quatro pessoas pela morte de Grazielly Almeida Lames, de 3 anos, atropelada por uma moto aquática no sábado de carnaval, na Praia de Guaratuba, em Bertioga. Ao anunciar nesta quinta-feira a conclusão do inquérito, aberto logo após o acidente, o delegado seccional de Santos, Rony Silva Oliveira, que assumiu o inquérito no início do mês, informou que o resultado da perícia efetuada pelo Instituto de Criminalística foi fundamental para o indiciamento por homicídio culposo (quando não há intenção de matar).

ZULEIDE DE BARROS E REGINALDO PUPO, Agência Estado

29 Março 2012 | 20h18

São acusados o proprietário do equipamento e padrinho do adolescente de 13 anos que deu a partida na embarcação, José Augusto Cardoso Filho, além do caseiro da residência, Elivaldo Francisco de Moura, que teria ajudado o menino a levar a moto aquática até a praia.

O processo ainda cita o dono da marina onde a moto aquática estava abrigada, Thiago Veloso, e o mecânico Aílton Bispo de Oliveira, que não teria feito a manutenção adequada. O equipamento apresentava alto nível de oxidação de algumas peças, o que teria redundado na alta velocidade, mesmo sem estar sendo pilotado, quando atingiu Grazielly.

De acordo com o delegado, os dois adolescentes poderão ser submetidos a medidas socioeducativas, conforme previsto no Estatuto da Criança e do Adolescente, a critério do Ministério Público. "Os quatro indiciados contribuíram de maneira incisiva para o acidente", frisou Rony Oliveira, lembrando que a moto aquática passou por manutenção dois dias antes do acidente, na quinta-feira, a pedido do proprietário. Já o padrinho do adolescente foi indiciado porque permitiu que o rapaz pilotasse a embarcação, sendo menor de idade e sem habilitação. Já o caseiro, embora tivesse negado que ajudou a levar o equipamento até a água, caiu em contradição diante da declaração das testemunhas da morte.

O Ministério Público de Bertioga vai pedir à Justiça penas socioeducativas para os menores de 13 e 14 anos suspeitos de atropelar e matar a menina Grazielly Almeida Lames, de 3 anos. A informação é da promotora da Vara da Infância e Juventude de Bertioga, Rosana Colletta, responsável pelo caso. Os jovens teriam ligado a moto aquática que atingiu a menina.

Em depoimento à promotoria, o jovem de 13 anos não negou a autoria do atropelamento, segundo Rosana Colletta. O advogado que representa os adolescentes, Maurimar Chiasso, e o que representa a família da menina, José Beraldo, não foram localizados pela reportagem.

Mais conteúdo sobre:
denúnciamoto aquáticamorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.