Polícia descobre ?gato? em oleoduto da Petrobras

Um incêndio no meio da madrugada de ontem levou a polícia e a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) a descobrir um "gato" feito em oleoduto da Petrobras para desviar gasolina e nafta em Itaquaquecetuba, na Grande São Paulo. O combustível era furtado do duto que ligava a linha de São Sebastião, no litoral norte paulista, a Guarulhos, também na Região Metropolitana.

AE, Agência Estado

06 de outubro de 2011 | 12h04

As investigações do 1.º DP de Itaquaquecetuba mostram que um homem alugou um terreno há seis meses, na Avenida Registro. Ali, ele teria construído um poço de cerca de 4 metros de profundidade por um metro de diâmetro em um galpão. As paredes do poço foram concretadas. O suspeito teria feito uma ligação clandestina com o duto da Petrobrás e, por meio de uma bomba, desviava o combustível.

O "gatoduto" saía da tubulação da Petrobras e terminava no poço. O fogo consumiu parte do material usado na ligação clandestina. Os moradores do Jardim Tropical chamaram os bombeiros e a polícia. "Identificamos o proprietário do imóvel e vamos averiguar o furto", afirmou a delegada Adanzil Limonta, responsável pelo inquérito.

A Petrobras, por meio da Transpetro, responsável pela operação do duto, informou que suspendeu o bombeamento de combustível pela tubulação entre Guararema e Guarulhos, na Grande São Paulo. A Cetesb foi chamada pela Defesa Civil de Mogi das Cruzes - cidade vizinha de Itaquaquecetuba. Ela constatou fogo no galpão e a presença do combustível no poço, mas aparentemente ele não havia chegado ao córrego, um pequeno afluente do Rio Tietê. O fogo foi controlado pelos bombeiros.

A Cetesb isolou o lugar e está verificando uma possível contaminação do solo do terreno. Duas famílias tiveram de deixar suas casas e o muro de uma delas teve de ser derrubado. Os peritos criminais ainda não sabem como o "gatoduto" se incendiou. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.