Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Polícia do PR encontra corpo de adolescente de 14 anos

A polícia do Paraná encontrou nesta sexta-feira o corpo da adolescente Tayná Adriane da Silva, de 14 anos, que estava desaparecida desde terça-feira, 25, quando saiu de casa para visitar uma amiga e não retornou, no bairro São Dimas, em Colombo, na Grande Curitiba. De acordo com a polícia, Tayná foi abordada por quatro homens que trabalhavam num parque de diversões próximo à Rua Márcio Cardoso, que a estupraram, mataram e enterraram num matagal.

JULIO CESAR LIMA, Agência Estado

28 de junho de 2013 | 19h58

O corpo dela foi encontrado por um dos vizinhos que auxiliavam nas buscas, que duravam 15 horas. Os acusados do assassinato estão detidos e foram levados para delegacias diferentes para, de acordo com os policiais, evitar o linchamento. Segundo o delegado Silvan Pereira, da delegacia de Alto Maracanã, que atendeu a ocorrência, os assassinos - dois de 22 anos e outros dois de 23 e 25 anos - compareceram ao local onde estava o corpo de Tayná, mas não apontaram o lugar exato onde ela foi enterrada. Os moradores tentaram linchá-los, mas eles ficaram sob uma escolta policial.

Os suspeitos disseram à polícia que enterraram a adolescente somente na manhã seguinte ao crime. "Mesmo que não tivéssemos encontrado o corpo da adolescente, já seria possível autuá-los em flagrante, mas, com a descoberta do corpo, eles serão julgados da melhor forma, o caso será levado adiante para a Justiça", afirmou.

Revoltados, os familiares de Tayná chegaram a criticar e hostilizar a polícia pela "demora" com que o caso era investigado. Alguns vizinhos jogaram pedras nos policiais. Além disso, um grupo também fechou por alguns momentos a Estrada da Ribeira, que corta a região, para pedir mais segurança. Já outro grupo depredou e pôs fogo no parque de diversões, localizado na Rua Presidente Faria, na noite desta quinta-feira, 27, tão logo soube que os acusados trabalhavam no local. A confusão terminou somente com a chegada da Polícia Militar (PM).

Numa entrevista à Rádio Banda B, da capital paranaense, na tarde desta quinta-feira, a mãe da adolescente, Cleuza Silva, disse que a menina chegou a mandar uma mensagem por celular para ela avisando-a de que estaria voltando para sua casa. "Ela ajuda como manicure num salão e saiu de lá até o ponto do Monte Castelo. A Tayná desapareceu neste caminho porque pessoas a viram indo esperar o ônibus. Às 20h30 de terça, ela me mandou mensagem pelo celular dizendo que estava chegando em casa e não apareceu. Estou desesperada", disse, na ocasião.

Segundo o delegado, um dos envolvidos de 22 anos era procurado pela polícia por um crime de estupro cometido em Guaratuba, no litoral do Paraná. Os quatro rapazes doarão amostras de sangue e devem fazer parte de um banco de sangue de denunciados por estupro que é usado pela polícia para confrontar casos ainda não solucionados no Paraná.

Tudo o que sabemos sobre:
Violênciagarotaestupro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.