Polícia espera exames sobre morte de bebê em Ourinhos

Responsáveis pela creche e pais da criança ainda serão ouvidos pela Polícia

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agencia Estado

29 de julho de 2008 | 19h07

A Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) do município paulista de Ourinhos, que apura as circunstâncias da morte da menina Natália, de um ano, aguarda o resultado dos exames para ouvir os responsáveis pela creche. Natália morreu ontem, depois de passar mal no Centro Educacional Alicerce. O corpo da criança foi sepultado nesta terça-feira, 29, no cemitério local. De acordo com a delegada Ana Rute de Castro Bertolaso, além do exame feito pelos peritos do Instituto Médico Legal (IML), o corpo da menina está sendo submetido a testes de material que a criança expeliu quando era atendida pelos bombeiros. No laudo preliminar, que serve de base para o atestado de óbito, consta que Natália teve uma parada cardiorrespiratória. A hipótese de ela ter sofrido asfixia também está sendo levada em conta pela polícia. A creche atendia outras sete crianças. A responsável pelo Centro Educacional, Jéssica Marques, disse que a morte de Natália foi uma fatalidade. A menina estava sob os cuidados da escola desde os três meses de idade e nunca apresentou qualquer problema. Amigos da família informaram que os pais de Natália estão transtornados. A delegada pretende ouvi-los assim que eles estiverem em condições de prestar depoimento.

Tudo o que sabemos sobre:
criançacrechemorteSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.