Polícia faz blitz contra prostituição em SP

Das 21h de ontem às 3h desta madrugada, um efetivo de 350 policiais, em 54 viaturas do Grupo de Operações Especiais (GOE) e de três delegacias seccionais, realizou, na capital paulista, a Operação Carrossel, com o objetivo de combater a prostituição infantil. Oito casas noturnas foram fechadas pelos policiais nas regiões sul, leste e central da cidade de São Paulo. Seis foram na região da rua Augusta, uma em Moema, zona sul, e a última no jardim Anália Franco, na zona leste.Clientes, funcionários e gerentes das boates fiscalizadas foram encaminhados pelos agentes do GOE às delegacias correspondentes aos bairros onde ocorreu a operação. Duas menores, uma de 16 anos com RG falsificado e outra de 17 estavam entre as garotas de programa encontradas nas boates. Elas serão encaminhadas à Fundação Casa, antiga Febem. Os gerentes foram indiciados por crimes de aliciamento de menores e favorecimento à prostituição. A operação Carrossel é considerada uma extensão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Direitos Humanos da Câmara Municipal de São Paulo.

RICARDO VALOTA, Agencia Estado

30 de novembro de 2007 | 07h04

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.