Polícia faz operação contra prostituição infantil no RJ

Três das meninas já tinham passagens pela delegacia em outros flagrantes de prostituição

PEDRO DANTAS, Agencia Estado

05 de outubro de 2007 | 16h08

A polícia do Rio apreendeu na madrugada desta sexta-feira, 5, seis crianças que se prostituíam em Campo Grande, na Zona Norte do Rio, a mais nova delas com 13 anos. Três homens foram presos acusados de aliciar as meninas. A "Operação Anjos" da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (Dcav), surpreendeu outros três homens negociando programas com as meninas, dois jovens e um professor universitário.   Eles foram liberados porque não foram presos em flagrante, mas podem ser processados pelo Ministério Público, segundo a polícia. A investigação foi iniciada há três meses após ligações para o Disque-Denúncia e contou com gravações de vídeo e áudio mostrando a ação dos exploradores e a movimentação das vítimas."Todas elas (as crianças) se disseram usuárias de maconha e cocaína e foram encaminhadas para a Central de Abrigos Carioca para a desintoxicação", disse a delegada da Dcav, Renata Teixeira de Assis. Segundo ela, os acusados atuavam na rua disfarçados de guardadores de carros e de mototaxista. Além de aliciar, eles agendavam programas e indicavam as meninas conforme a preferência dos abusadores. A base do grupo seria a Favela do Barbante, em Campo Grande, onde algumas das menores moravam. Acusado de ser o chefe da quadrilha, Ricardo Ferreira Nascimento disse que é mototaxista há oito anos e negou as acusações. "Eu apenas levava as meninas até em casa como qualquer passageiro", disse ele, que no entanto reconheceu não possuir carteira de habilitação. Suspeitos, os guardadores de carro Carlos Alberto Oliveira e Fabiano Ferreira negaram a versão da polícia. Nenhum deles possui antecedentes criminais.Aos policiais, as menores confirmaram que se prostituíam nas ruas. O programa variava entre R$25 e R$50 e era feito em motéis e em um terreno baldio próximo da área de prostituição. Três das meninas já tinham passagens pela delegacia em outros flagrantes de prostituição. Não é a primeira vez este ano que a Zona Oeste do Rio é alvo de operações policiais contra a prática. Há dois meses, na Barra da Tijuca, um policial militar foi preso acusado de agenciar a prostituição de menores na orla do bairro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.