Polícia francesa encontra perna sob casa de família desaparecida

Pai, mãe e seus quatro filhos desapareceram no início de abril sem deixar vestígios.

BBC Brasil, BBC

21 de abril de 2011 | 14h03

A polícia da cidade de Nantes, no oeste da França, encontrou uma perna debaixo da casa de uma família de seis pessoas, que estavam desaparecidas há duas semanas.

Investigadores suspeitam que os integrantes da família tenham sido sequestrados e assassinados, segundo o promotor Xavier Ronsin.

De acordo com o promotor, o casal e seus quatro filhos eram discretos e reservados.

Recentemente, eles haviam informado ao colégio onde seus filhos estudavam que as crianças seriam retiradas da escola porque a família estava de mudança para a Austrália.

Desde o início do mês, não se sabe o paradeiro do pai, de 50 anos de idade, da mãe, de 49 anos, e dos quatro filhos, que têm 13, 16, 18 e 21 anos de idade.

Não há registros de que tenha havido quaisquer tentativas de comunicação, fossem por parte dos moradores da casa, fossem dirigidas a eles, desde 3 ou 4 de abril.

Mensagens 'desconexas'

Antes do desaparecimento, os pais vinham deixando mensagens "desconexas e contraditórias", segundo o promotor, para justificar a retirada de seus dois filhos mais jovens da escola.

''O pai explicou que ele era um agente secreto e que estava deixando o país como parte de um programa de proteção a testemunhas'', afirmou Ronsin.

Também não foram encontrados indícios de quaisquer ocorrências violentas nas imediações da casa, onde os armários foram todos esvaziados.

A família vinha vivendo numa casa térrea em uma avenida central em Nantes. A residência estava sempre com todas as suas janelas fechadas.

Uma nota colada com fita adesiva na caixa de correio trazia a frase: "retornar todas as mensagens ao remetente".

Um carro Golf preto, que os vizinhos dizem pertencer à mãe, permanece estacionado nas proximidades.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.