Polícia identifica suspeitos de assassinar turista suíço

A Polícia Civil de Ribeirão Branco, a 310 km de São Paulo, identificou os suspeitos de assassinar o turista suíço Max Kempf, de 69 anos, domingo (25), durante assalto a um sítio no município. O delegado Renato Knap Ribeiro, que assumiu a investigação, informou nesta segunda-feira que o assalto foi planejado e contou com a participação de um menor. Com apoio de policiais de Itapeva, a Polícia Civil estava à procura dos supostos envolvidos.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

26 de novembro de 2012 | 18h29

O suíço visitava um primo, Theodor Alois Kempf, que está no Brasil há 19 anos e produz queijos na propriedade no interior paulista. Ele havia chegado no dia anterior, na companhia de um amigo também suíço.

Às 6 horas da manhã, Theodor saiu da casa para ordenhar as vacas e deixou a porta dos fundos apenas encostada. Três homens encapuzados e armados invadiram o sítio e entraram na casa, rendendo a mulher do proprietário. Ao vasculhar o imóvel em busca de joias e dinheiro, eles entraram no quarto onde o suíço dormia. De acordo com Theodor, os bandidos mandaram o primo deitar-se no chão, mas ele não entendeu e tentou explicar que não falava português. Um dos bandidos achou que ele estava reagindo e disparou. A bala atingiu a cabeça.

Antes de ir a Ribeirão Branco, os turistas haviam passado pelo Peru e pela Bolívia. No Brasil, eles tinham visitado a cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.