Polícia impede novos protestos da oposição no Quênia

Segurança foi reforçada na capital para evitar atos contra resultado de eleição.

BBC Brasil, BBC

04 de janeiro de 2008 | 08h40

A segurança foi reforçada em Nairóbi, capital do Quênia, nesta sexta-feira, para impedir novos protestos contra a reeleição do presidente Mwai Kibaki.Os partidos da oposição afirmam que pretendem levar adiante a manifestação, depois que a polícia dispersou o comício convocado na quinta-feira.Mas segundo o correspondente da BBC Adam Mynott, que esteve em uma favela onde vivem, predominantemente, opositores do governo, o entusiasmo pelos protestos está diminuindo.A oposição acusa o governo de ter fraudado as eleições presidenciais do último dia 27. Mais de 300 pessoas foram mortas na onda de violência que se seguiu e 70 mil tiveram que deixar suas casas, desde domingo.CalmaNa quinta-feira, o presidente Kibaki disse estar disposto a negociar com a oposição para tentar reverter a violência, mas apenas quando a calma voltar às ruas."Eu estou pronto para dialogar com as partes envolvidas assim que a nação esteja calma e a temperatura política tenha diminuído o suficiente para permitir um compromisso construtivo e produtivo", disse o presidente, em seus primeiros comentários públicos sobre os problemas no país.Apesar do tom conciliatório, Kibaki disse que "aqueles que continuarem a violar a lei vão encarar toda sua força" e deixou claro que acredita que a oposição é responsável pelo derramamento de sangue."Eu estou profundamente perturbado pela violência estimulada por alguns líderes em busca de seus objetivos políticos pessoais", disse.Kibaki fez as afirmações depois que a polícia usou bombas de gás lacrimogêneo e jatos d'água para dispersar a multidão que tentou participar de um comício da oposição em Nairóbi.InquéritoTambém na quinta-feira, o procurador-geral do país, Amos Wako, pediu um inquérito independente sobre o resultado das eleições presidenciais.Falando na TV do país, Wako disse que "uma contagem apropriada dos votos válidos, retornados e confirmados deve ser realizada imediatamente".O oposicionista Movimento Democrático Laranja (ODM, na sigla em inglês), afirma que seu líder, Raila Odinga - derrotado por Kibaki no pleito presidencial -, é o "presidente do povo" e exige uma nova eleição.A comunidade internacional está tentando usar a diplomacia para resolver o conflito.O principal diplomata americano na África, Jendayi Frazer deve chegar ao Quênia nesta sexta-feira, no que o governo americano afirma ser uma tentativa de convencer os rivais políticos a dialogar.O bispo sul-africano Desmond Tutu chegou ao Quênia na quinta-feira para tentar mediar o conflito.Mas os planos do líder da União Africana John Kufuor de viajar para o país para liderar os esforços de mediação não foram adiante.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.