Polícia investiga comunidades do Orkut que exaltam milícias

A Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI) instaurou inquérito para investigar as comunidades que exaltam as milícias (grupos paramilitares que expulsam o tráfico e cobram dinheiro dos moradores por proteção) no site de relacionamentos Orkut. O pedido foi feito pela promotora Débora Martins Moreira, da 6ª Promotoria de Investigação Penal, no início do mês. Ela também enviou ofício ao Google - administrador do Orkut - para que retire três comunidades do ar. Ao analisar o conteúdo dos fóruns de discussão, a promotora do Ministério Público Estadual concluiu que há indícios de apologia e quer que os responsáveis sejam identificados. Ela pediu também que o inquérito investigue e identifique outras comunidades que incentivam a ação dos grupos formados por policias e bombeiros da ativa e reformados. Uma das comunidades investigadas chama-se "Milícias -RJ = Solução!!!". Ela foi criada, segundo o autor da comunidade, "em favor desses grupos que vêm trazendo a paz e a tranqüilidade aos moradores das comunidades carentes do Rio de Janeiro. A Polícia Mineira, como são chamados (os milicianos), vêm realizando um excelente trabalho, pois expulsam os traficantes e acabam com a desordem e as normas impostas por estes vermes (...). Qualquer ação que venha banir o crime organizado deve ser aplaudido de pé." O criador da comunidade, que se identifica apenas como Rondy, faz um apelo aos milicianos em um fórum de discussão: "Vamos dizer não à imprensa, pois ela está denegrindo um trabalho que vem dando certo. Não devemos nenhuma satisfação à imprensa, pois qualquer informação divulgada sobre esse trabalho pode ser um prato cheio aos marginais. A missão é proteger os moradores e exterminar o tráfico de drogas." A internauta Marisa Sant´ Anna escreveu na sessão de debate que prefere pagar a milícia a gastar dinheiro com enterro dos seus filhos. "Não quero que eles sejam vítimas da violência desses vagabundos." Há também quem dê opinião contrária à da maioria. "Vejo com muita preocupação isso tudo. Quem garante que amanhã, com os traficantes expulsos, as milícias não venderão drogas? A Colômbia começou assim. A milícia tem em sua liderança maus PMs, cuja grande maioria foi expulsa da corporação por fazer alguma besteira", relatou Roberto, sendo contestado por outros freqüentadores da comunidade. Especialistas de Segurança Pública disseram recentemente ao Estado que as milícias encontraram espaço para crescer com a fragilização das quadrilhas de tráfico de drogas e pela omissão do governo. Os milicianos disputam violentamente o controle territorial com traficantes. A guerra já provocou nos últimos dias pelo menos sete mortes no Rio - três na Cidade Alta (zona norte) e quatro na Vila Joaniza (zona norte). Cerca de 90 favelas já estariam dominadas pelos grupos paramilitares.

Agencia Estado,

16 Fevereiro 2007 | 20h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.