Polícia investiga morte de desembargador do TJ-SP

A Polícia de Santos investiga as causas da morte do desembargador Adílson de Andrade, do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). Na manhã desta terça-feira o desembargador, de 60 anos, foi encontrado morto, com dois tiros no abdômen, em sua casa, no bairro da Ponta da Praia, em Santos. As primeiras informações dão conta de que um dos filhos do magistrado encontrou o corpo do pai ensaguentado na cama e chamou o Samu, que chegou rápido ao sobrado da rua André Vidal de Negreiros.

ZULEIDE DE BARROS, Agência Estado

10 Abril 2012 | 19h40

Há também informação de que o porteiro do prédio vizinho teria ouvido tiros e chamou imediatamente a polícia, que chegou junto com a ambulância. Na ocasião, foi lavrado um boletim de ocorrência por "morte suspeita". O corpo do desembargador foi encaminhado do Instituto Médico-Legal e, até o início da noite desta terça-feira, não havia sido liberado.

A investigação sobre a morte de Adílson de Andrade está sendo feita pelo 3º Distrito Policial, na Ponta da Praia, onde o delegado titular não quis se pronunciar durante toda a tarde, uma vez que, segundo os atendentes, estaria reunido com integrantes do Tribunal de Justiça. A única informação passada pelos policiais do 3º DP foi sobre o horário presumível da morte do desembargador: entre 7 horas e 7h30.

Um de seus filhos esteve na casa, e depois de tocar a campainha várias vezes, entrou e encontrou o pai morto no andar superior. Ele teria mexido no corpo e apanhado a arma que estava no chão, um revólver calibre 32. A delegada Ligia Ribeiro de Mello mandou o filho fazer exames para verificar se haveria resíduos de pólvora nas mãos (exame residuográfico). Foi apreendido na casa dele um notebook e um celular.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.