Polícia Militar do Rio está em estado de alerta após mais um ataque

Homens atacaram batalhão a tiros na zona norte; quatro ataques já deixaram 1 morto e 6 feridos

EQUIPE, Agência Estado

18 de setembro de 2010 | 12h58

A Polícia Militar do Rio está em estado de alerta após dois homens numa moto terem atacado a tiros um carro do 17º Batalhão da PM usado no patrulhamento da Ilha do Governador, na zona norte do Rio, durante a madrugada deste sábado, 18, na Praia do Rosa.

 

Foi o quarto de uma sequência de ataques a policiais militares que começou na noite de quinta-feira. Ainda assim, o setor de inteligência da PM acredita que tenha sido um caso isolado.

Na Ilha, os policiais que estavam dentro da patrulha não se feriram. Já na manhã de sexta-feira, o sargento Leopoldo Neves, de 43 anos, foi morto na porta de uma padaria, no bairro do Tanque, em Jacarepaguá, zona oeste. Quatro bandidos o surpreenderam com tiros de fuzil. O cabo Francis Pereira, de 32 anos, ficou ferido, assim como dois funcionários e um cliente da padaria.

Também na sexta-feira PMs foram atacados na Avenida Brasil. Bandidos que fugiam depois de roubar uma moto atiraram contra militares do Batalhão de Polícia Rodoviária que encontraram pelo caminho. Eles chegaram a jogar uma bomba de fabricação caseira contra eles. O artefato acabou ferindo o motorista de um carro que passava pela via.

Ainda na madrugada de sexta-feira, uma cabine da PM em São João do Meriti, na Baixada Fluminense, foi alvo de tiros de fuzil, mas não houve feridos. Na quinta à noite, em Bonsucesso, na zona norte, duas patrulhas do batalhão da Maré também foram alvo de tiros e um policial foi atingido de raspão na cabeça.

Ao comentar os incidentes, ontem, o governador Sérgio Cabral, candidato à reeleição, creditou os incidentes a uma represália dos bandidos às ações do Estado no combate ao tráfico de drogas.

 

"Era natural que houvesse uma movimentação e, com a chegada da eleição, isso está sendo aguçado. São grupos organizados ainda enclausurados em algumas comunidades, fazendo movimentos de pânico para gerar intranquilidade na cidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.