Polícia paquistanesa isola casa onde Bhutto cumpre prisão

Governo colocou ex-premiê em prisão domiciliar para impedir que lidere protesto nesta terça-feira

BBC Brasil, BBC

13 de novembro de 2007 | 03h35

A polícia do Paquistão reforçou na manhã desta terça-feira o cordão de isolamento em torno da casa onde a líder da oposição e ex-primeira-ministra Benazir Bhutto cumpre prisão domiciliar, na cidade de Lahore.   Veja também:  Bhutto é presa novamente antes de protesto no Paquistão   Centenas de policiais e guardas impedem que Bhutto deixe a casa. Na segunda-feira, a ex-premiê recebeu uma nova ordem de prisão domiciliar, de sete dias. A prisão, a segunda nos últimos dias, foi decretada pelo governo para impedir que Bhutto lidere uma marcha programada para esta terça-feira contra o estado de emergência declarado pelo presidente paquistanês, Pervez Musharraf, no dia 3 de novembro. A chamada "longa marcha" deverá percorrer 270 km de Lahore até a capital do Paquistão, Islamabad. Segundo uma porta-voz de Bhuto, Sheri Rahman, o protesto será realizado mesmo com a prisão domiciliar da ex-premiê. Nesta segunda-feira, a Comunidade Britânica de Nações, que reúne 53 países, ameaçou suspender o Paquistão se Musharraf não decrete o fim do estado de emergência no prazo máximo de dez dias. Depois de uma reunião de ministros de Relações Exteriores dos países do grupo, em Londres, o secretário-geral da comunidade, Don Mckinnon, disse que o general Musharraf deve restaurar a Constituição do Paquistão e o Judiciário independente, além de libertar presos políticos e deixar o cargo de comandante das Forças Armadas. O Paquistão já foi suspenso do grupo em 1999, quando o general Musharraf tomou o poder em um golpe. Em 2004, o país foi aceito de volta à comunidade. Musharraf disse que as eleições parlamentares serão realizadas até 9 de janeiro, mas os líderes da oposição querem o fim do estado de emergência antes do pleito. O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e o primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, voltaram a pedir que o presidente Musharraf restaure a democracia no Paquistão. Os Estados Unidos vêm pressionando Musharraf a aceitar um acordo de divisão de poder com Bhutto, para ajudar na luta do Paquistão contra extremistas islâmicos. Bhutto retornou ao Paquistão no mês passado, com a permissão de Musharraf, depois de oito anos de exílio voluntário. No entanto, diante da crise atual, a ex-primeira-ministra, que lidera o Partido do Povo Paquistanês (PPP), disse que não vai mais negociar com o presidente paquistanês um possível acordo de divisão de poder. Ao ser questionada sobre essa decisão, Bhutto afirmou: "Sim, é uma mudança, é uma mudança na política do meu partido". BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.