Polícia recupera 50 toneladas de cassiterita em MT

Uma carga de cerca de 50 toneladas do minério cassiterita foi recuperada por policiais da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos Automotores (DERRFVA), na noite de ontem, em dois pontos da Grande Cuiabá, em Mato Grosso. A carga, segundo a polícia, é avaliada em mais de R$ 1 milhão. Quatro pessoas foram presas.

SOLANGE SPIGLIATTI, Agência Estado

18 de maio de 2011 | 17h54

O minério roubado, de acordo com a polícia, seria transportado para o Estado de São Paulo, em um caminhão. O veículo foi apreendido no pátio do Posto Locatelli, na saída de Cuiabá para o sul do Estado, com parte do minério escondido no piso da carroceria.

O motorista do caminhão, Aparecido Barbosa de Almeida, de 54 anos, ao ser abordado, disse que não sabia que havia minério escondido no veículo e que pensava que se tratava apenas de sucata. Ele foi detido e conduzido com a carga à Delegacia Especializada.

No município de Várzea Grande, os policiais efetuaram a detenção de Carlos Egídio Zancheta, de 50 anos, conhecido como Carlito, dono da carga roubada. Dentro da residência do suspeito, os policiais encontraram a segunda parte da cassiterita, aproximadamente 30 mil quilos. Além de Carlos Egídio, foram presos Neudi Luiz Pavan, de 54 anos, e Marioney de Oliveira Pinto, de 31.

O receptador do minério roubado disse ter comprado a carga do advogado Adão Mazzeto, preso várias vezes pela Polícia Civil por crimes de roubo e receptação de veículos, principalmente carretas. O suspeito tem uma oficina de caminhões em Várzea Grande.

De acordo com Carlos Egídio, a carga foi comprada com vários cheques, sendo um no valor de R$ 24 mil, outro de R$ 26 mil e mais três de R$ 50 mil, totalizando R$ 200 mil, que posteriormente seriam trocados em uma factoring. Cada quilo da cassiterita foi vendido ao valor de R$ 18,00 e seria revendido no mercado "negro" em São Paulo pelo preço médio de R$ 23,00 o quilo.

Tudo o que sabemos sobre:
minériocassiteritarouboapreensãoMT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.