Policiais civis de SP pedem demissão de secretário em passeata

Diretor do sindicato acusou o governo de represálias, dizendo que tentam desarticular a direção da categoria

Carina Urbanin, Agência Estado

23 Setembro 2008 | 18h06

Há uma semana em greve, policiais civis de todo Estado de São Paulo fizeram no início da tarde desta terça-feira, 23, uma passeata que partiu da Associação dos Delegados do Estado de São Paulo (Adpesp) e chegou à sede da Secretaria da Segurança Pública (SSP), no centro da capital. Os manifestantes pediram a saída do secretário da Segurança Pública, Ronaldo Marzagão.   Veja também: Policiais civis continuam greve e secretaria diz que negocia   Eles encontraram as portas da secretaria fechadas e guardadas por policiais militares. De acordo com a Adpesp, participaram da passeata mais de mil policias da capital e do interior.  Segundo o diretor-executivo da Adpesp, André Dahmer, Marzagão se recusa a reconhecer a paralisação e ameaça punir os grevistas.   Grevistas da Polícia Civil em frente ao prédio da Secretaria de Segurança Pública     Dahmer ainda acusou o governo de estar fazendo represálias. Segundo ele, no Diário Oficial do Estado desta terça foi publicada a transferência do presidente da Adpesp, Sérgio Marcos Roque. Ele trabalhava no Departamento de Inteligência da Polícia Civil (Dipol) e foi transferido para o Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap). Segundo Dahmer, a transferência teria sido uma iniciativa para tentar desarticular a direção da greve.   Segundo levantamentos da Adpesp, desde o início da paralisação o número de ocorrências registradas pela Polícia Civil caiu 50%. Os policiais pedem reajuste salarial de 15% para este ano, 12% em 2009 e 12% em 2010. A adesão à greve, de acordo com Dahmer, é superior a 80% na capital e 90% no interior.

Mais conteúdo sobre:
Polícia CivilgreveSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.