Policiais Civis paralisam atividades em SP

Os Policiais Civis de São Paulo paralisaram suas atividades nesta terça-feira, 10, em todo o Estado. Delegados, investigadores e escrivães aderiram à Operação Blecaute, organizada pela Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo (Adpesp), suspendendo o atendimento à população das 10h às 16h.

GABRIELA VIEIRA, Agência Estado

10 de setembro de 2013 | 15h48

A mobilização, segundo a associação, reivindica melhores condições de trabalho. A categoria acusa o governo estadual de sucatear a Polícia Civil e reclama da falta de investimentos em infraestrutura e capacitação dos profissionais. "A situação de falência da segurança pública em todo o Estado é culpa do governo que sucateou a Polícia Civil", afirmou a presidente da Adpesp, Marilda Pansonato. Segundo ela, São Paulo tem um déficit de oito mil policiais civis e é o Estado com a pior condição salarial para delegados.

Essa é a sexta paralisação da categoria em menos de 40 dias. Os delegados estão em estado de greve desde o dia 20 de agosto e aguardam assembleias das demais classes para a deflagração de uma greve geral.

Em nota, a Secretaria Estadual de Segurança Pública "reafirmou o seu empenho na negociação salarial com todas as categorias de polícia". Segundo a pasta, policiais civis, militares e científicos receberam reajustes salariais de 27,7% nos últimos dois anos.

"A principal reivindicação da categoria é o reconhecimento e não um índice de reajuste", disse Marilda. Ela se referiu ao reconhecimento da carreira jurídica para os delegados de polícia e do nível universitário para os investigadores e escrivães, que estão na pauta da categoria.

Mais conteúdo sobre:
grevePolícia CivilSão Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.