Policiais e soldado egípcios são feridos em ataque no Sinai

Três policiais egípcios e um soldado foram feridos perto da cidade de Sheikh Zuwaid neste sábado, quando homens armados dispararam uma granada lançada por foguete em seu comboio durante uma operação contra militantes após o assassinato de 16 guardas de fronteira.

Reuters

18 de agosto de 2012 | 09h24

O ataque ocorreu enquanto a polícia voltava para a cidade de al-Arish, depois de prender dois suspeitos na cidade fronteiriça de Rafah, afirmou uma fonte da área de segurança.

A desordem tem se espalhado no turbulento norte do Sinai, uma região inundada de armas que se sentiu negligenciada pelo governo central desde a derrubada do então presidente Hosni Mubarak, no ano passado, após um levante popular.

O governo de Mubarak trabalhou de maneira próxima a Israel para a manter a região da fronteira sob controle.

O Egito atribuiu o ataque de 5 de agosto na fronteira a "militantes islâmicos" e lançou uma operação policial e militar conjunta que invadiu esconderijos, prendeu militantes e apreendeu armas.

Uma organização de militantes islâmicos com base no Sinai, o Grupo Salafi Jihadi, avisou o exército egípcio que a ofensiva aos jihadistas iria forçá-los a lutar.

(Reportagem de Yousri Mohamed)

Mais conteúdo sobre:
EGITOATAQUEFRONTEIRA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.