'Policiais virtuais' patrulharão internet na China

Personagens aparecerão na tela de internautas alertando para os perigos da rede

BBC Brasil,

29 Agosto 2007 | 10h37

Dois "policiais virtuais" patrulharão a internet na China, numa tentativa das autoridades de combater "atividades ilícitas", segundo informações da imprensa estatal do país.   Veja também:  China prende 60 internautas por 'fofoca'   As duas figuras de animação, um homem e uma mulher, vão aparecer nas telas dos usuários a cada 30 minutos "para lembrá-los da segurança na internet", reportou o diário China Daily.   A pé, em motocicletas ou de carro, os dois policiais virtuais darão seus ares em novos portais a partir de sábado, e em todos os sites e fóruns chineses até o final do ano.   Pequim controla todo o conteúdo de internet e imprensa, e censura o que considera politica ou moralmente ameaçador.   Mas alguns usuários encontraram formas de escapar do controle do governo.   A China tem vivido uma explosão no número de usuários de internet nos últimos anos. Acredita-se que o país tenha mais de 120 milhões de internautas, um número que coloca a China atrás apenas dos Estados Unidos.   O governo do país tem dezenas de milhares de policiais reais monitorando a internet, e regularmente prende ativistas que colocam mensagens na rede criticando o governo.   "É nosso dever tirar a informação que causa dano público e prejudica a ordem social", disse o vice-chefe de vigilância da internet do Escritório Municipal de Segurança Pública de Pequim, Zhao Hongzhi, segundo o China Daily.   Ele acrescentou que os policiais virtuais vão "observar páginas que incitam secessão, promovem superstição, jogo ou fraude".   Os internautas poderão clicar nos ícones para se conectarem ao Centro de Vigilância da Internet do escritório, onde podem relatar atividades ilegais, disse o funcionário.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
China Polícia Web

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.