Policial é assassinado em mercado público de Maceió

Investigação trabalha com hipótese de execução, já que PM trabalhava no combate às drogas

Ricardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2008 | 15h00

O soldado da Policial Militar de Alagoas Josué Pedro da Várzea, de 43 anos, foi executado com cinco tiros na cabeça, na manhã desta quarta-feira, 3, no Mercado Público Municipal, no bairro Levada, em Maceió. Segundo testemunhas, o PM seguia de moto para o curso de formação de cabos na Academia da Polícia Militar, quando foi abordado e atingido a tiros por dois homens de bicicleta, ainda não identificados.   A polícia investiga a possibilidade de acerto de contas, já que Josué trabalhava na região da Chã da Jaqueira, na periferia de Maceió, onde a polícia trava uma verdadeira "guerra" com os traficantes, no combate ao tráfico de drogas. No entanto, não está descartada a possibilidade do militar ter sido vítima de assalto.   O corpo de Josué foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML), onde passou por necropsia e depois foi liberado para o sepultamento. A moto Twister preta, de placa MVI-3125, de propriedade de Josué, lotado no 4.º Batalhão da PM, foi levada para a Delegacia de Plantão (Deplan I), onde o homicídio foi registrou. O crime deve ser investigado pelo delegado Guilherme Melo, do 1.º Distrito Policial.   O coronel PM Dorgival, comandante do 4.º Batalhão, disse que, logo após o crime, reuniu-se com outros oficiais para discutir a condução das investigações da morte do soldado Josué, que tinha mais de 20 anos de PM. Dorgival declarou que o soldado tinha boa conduta e ficha limpa. "Ninguém tinha nada o que dizer contra ele aqui no batalhão", declarou o militar.   Funcionários de um posto de combustíveis, localizado no bairro do Barro Duro, onde o militar fazia bico de segurança, também elogiaram a conduta de Josué, que era casado e pai de três filhos. Os colegas de trabalho de Josué comentaram que o soldado pode ter sido morto por engano, fato que descartaria a hipótese de certo de contas ou assalto.

Mais conteúdo sobre:
violência assassinato PM Maceió

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.