Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Policial recém-formado vai fazer estágio na Rocinha

Nas últimas semanas, um grupo de 130 e outro de 40 policiais aumentou o efetivo para 350

Antonio Pita, Agência Estado

02 Abril 2012 | 20h34

RIO DE JANEIRO - Numa tentativa de combater a violência, que tem crescido nas últimas semanas, a Polícia Militar determinou que todos os policiais recém-formados façam um estágio na Rocinha, comunidade da zona sul do Rio ocupada pelas forças de segurança desde novembro passado. Com isso, o número de policiais na favela vai chegar a 700 até a próxima sexta-feira.

Antes da sequência de crimes (em 40 dias foram registrados oito homicídios), havia 180 PMs na favela. Nas últimas semanas, um grupo de 130 e outro de 40 policiais aumentou o efetivo para 350. Com o novo reforço, o total chegará a 700. Os primeiros policiais desse grupo de recém-formados chegou nesta segunda-feira à comunidade. Outros chegarão terça-feira e até sexta-feira, quando o contingente estará completo.

Os novos policiais chegam à Rocinha em meio a denúncias de corrupção. Segundo a Polícia Civil, traficantes estariam oferecendo R$ 200 mil na hora e mais R$ 20 mil por semana a policiais que deixem de patrulhar ruas de menor movimento. A Secretaria Estadual de Segurança confirmou as denúncias, mas não detalhou os casos, alegando que a investigação é sigilosa. Caso a denúncia seja confirmada, os policiais podem ser expulsos da corporação. A Secretaria informou que não vai mudar o plano de segurança para a comunidade.

Há cerca de 50 dias a Rocinha vive uma escalada de violência. No último domingo, Alexandre da Cunha Fernandes, de 30 anos, foi morto em uma das principais ruas da favela. O delegado Rivaldo Barbosa, titular da delegacia de Homicídios, investiga se a vítima tinha envolvimento com o tráfico. O inquérito deve ser concluído em 30 dias. "Outros cinco casos já foram solucionados e a polícia já tem os mandados de prisão dos acusados", disse.

A PM nega que o aumento do efetivo se deva à onda de violência. Em nota, afirma que o objetivo da ocupação era a retomada do território e que "a missão foi cumprida". De acordo com a corporação, a atuação dos novos oficiais na Rocinha é um treinamento para que os novos policiais possam atuar em Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) de diferentes comunidades. Todos os oficiais recém formados passarão pelo estágio com o objetivo de facilitar o acesso da PM a becos onde as viaturas não entram. A primeira turma de policiais deve ficar na favela até a implantação da UPP, ainda sem data para ocorrer.

O reforço não renovou as expectativas de segurança de quem vive na Rocinha. "São policiais despreparados, chegam com a cara assustada e segurando a arma o tempo todo. Não conhecem a realidade da favela", critica um comerciante. Muitos moradores afirmam que ainda há traficantes em diferentes regiões da favela e relatam o clima de insegurança vivido nas últimas semanas. "Demos confiança à polícia, mas ela não correspondeu. Estamos num vazio de comando", afirmou uma moradora que não quis se identificar.

Mais conteúdo sobre:
Rocinhacriseviolência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.