Políticas públicas evitam quase metade do desmate na Amazônia

Cerca de metade do desmatamento que foi evitado na Amazônia brasileira entre 2005 e 2009 foi resultado das políticas governamentais de preservação, de acordo com análise da Iniciativa de Política Climática (CPI) do Rio.

O Estado de S.Paulo

01 Abril 2012 | 03h03

A avaliação do CPI isolou os efeitos dos preços agrícolas e outros fatores potenciais para estimar a contribuição das políticas na redução do desmatamento da Amazônia Legal.

Resultados mostram que as políticas introduzidas no segundo semestre de 2000 ajudaram a impedir o desmatamento de uma área de 62 mil km2, o equivalente a evitar uma perda de cerca de 620 milhões de toneladas de CO2 armazenado.

"Nosso estudo ilustra a importância das políticas de conservação na redução do desmatamento na Amazônia", afirma Juliano Assunção, diretor do CPI Rio.

A próxima etapa do trabalho é saber quais políticas foram mais eficazes, analisando o efeito das políticas e programas específicos, incluindo a mudança no crédito rural e o fortalecimento da fiscalização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.