Polonesa fica 75 dias em trabalho de parto e salva bebês

Uma polonesa ficou quase de ponta cabeça em trabalho de parto durante 75 dias para salvar a vida de seus dois bebês prematuros depois que um dos três fetos que cresciam dentro dela nasceu prematuro e morreu.

REUTERS

07 Março 2012 | 15h52

Joanna Krzysztonek acabou dando à luz a nenê Iga e o menino Ignacy um mês e meio depois, em 15 de fevereiro, em uma clínica neonatal na cidade de Wroclaw, no sudoeste da Polônia, e disse que a ideia de se deitar em uma posição esquisita durante semanas acabou não a incomodando.

"Vi com alívio que havia uma chance de manter a gravidez e dar aos bebês uma chance de que nascessem bem", disse ela à Reuters.

O chefe da obstetrícia de Wroclaw e da clínica neonatal onde Krzysztonek deu à luz, Mariusz Zimmer, disse que os médicos conseguiram aliviar as contrações de Krzysztonek, mas consideram que ela tenha ficado em trabalho de parto desde o nascimento do primeiro bebê.

"Esse procedimento - de dar à luz - tem um começo e um fim. Se o primeiro bebê nasceu, isso significa que o trabalho de parto começou", afirmou Zimmer.

Iga e Ignacy continuam em incubadoras especiais, mas devem deixar o hospital em breve.

(Por Dagmara Leszkowicz e Piotr Halawej)

Mais conteúdo sobre:
POLONIAPARTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.