Poluente reduz em um ano e meio expectativa de vida

Poluente reduz em um ano e meio expectativa de vida

O alto índice de concentração de ozônio no ar que a população respira traz riscos imediatos à saúde e também compromete a expectativa de vida das pessoas. "Estudos apontam que a exposição prolongada ao poluente reduz a expectativa de vida entre um ano e um ano e meio", afirma o médico Paulo Saldiva, da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).

, O Estadao de S.Paulo

01 Abril 2010 | 00h00

O poluente está associado principalmente a três males: câncer das vias aéreas superiores, asma e infecções respiratórias. A exposição ao poluente pode levar à mortalidade precoce em pessoas com problemas cardiovasculares. Os sintomas das altas concentrações de ozônio podem ser sentidos no dia a dia: ardor nos olhos, nariz e garganta, além de tosse seca e cansaço excessivo.

"As pessoas mais vulneráveis são as que estão na rua, no ponto de ônibus, fazendo esportes", alerta Saldiva. Segundo o médico, a tendência é que os níveis do poluente aumentem, em razão das mudanças climáticas, elevação das temperaturas e da falta de investimentos em transporte coletivo. / A.V.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.