Poluição mata 460 mil chineses por ano, alerta Bird

Pesquisa estima que custos com mortes por poluição chegue a US$ 51,8 bi

Agencia Estado

03 Julho 2007 | 14h33

Cerca de 460 mil chineses morrem prematuramente todos os anos por respirar ar poluído e beber água suja, revelou um estudo do Banco Mundial (Bird). O jornal Financial Times publicou nesta terça-feira, 3, um artigo dizendo que o governo chinês, parceiro do banco na pesquisa, pediu para a instituição não divulgar as estimativas por temer que provoquem inquietação social. Uma versão do estudo disponível no site do banco afirma que algumas estimativas sobre os custos físicos e econômicos da poluição foram omitidas devido a incertezas sobre os cálculos de medição e suas aplicações. Mas a pesquisa estima os custos de saúde derivados de mortes prematuras associadas à poluição em US$ 51,8 bilhões. O Banco Mundial afirmou que o relatório final será divulgado em breve. "De maneira consistente com a posição do Banco Mundial para este tipo de projeto de pesquisa conjunto, as conclusões do relatório estão sendo debatidas com o governo. A versão (no site) não inclui alguns dos temas que ainda estão sendo discutidos", declarou em comunicado o escritório do banco em Pequim. Um economista de Pequim disse que a estimativa do estudo de mortes prematuras causadas por poluição são alarmantes, mas estão de acordo com uma pesquisa anterior do Banco Mundial e com recentes conclusões acadêmicas na China. A China, onde ficam algumas das 20 cidades mais poluídas do mundo, está redobrando seus esforços para limpar o meio ambiente. Autoridades estão fechando fábricas sujas e elevando os padrões de eficiência de combustíveis em automóveis. No domingo, a China também colocou em prática padrões mais elevados para a água potável.

Mais conteúdo sobre:
Bird poluição China

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.