Pontes enfrenta desconforto e jantar frio na viagem à ISS

O primeiro cosmonauta do Brasil, o coronel Marcos César Pontes, viaja a bordo da nave russa Soyuz TMA-8 num ambiente pouco confortável e dividindo jantares frios com seus colegas, até a sua chegada na madrugada deste sábado, à Estação Espacial Internacional (ISS)."Durante os dois dias do vôo de ida, os cosmonautas podem experimentar sensações desagradáveis e sentir um pouco de frio, mas há comida de sobra", disse Alexander Aguréyev, diretor do Instituto de Biologia Espacial da Rússia.Pontes e seus companheiros de viagem, o russo Pavel Vinogradov e o americano Jeffrey Williams, podem sentir algum mal-estar enquanto se adaptam à ausência de gravidade, explicou Aguréyev à agência Itar-Tass."Pontes está se adaptando às condições do vôo orbital e o seu estado geral é satisfatório", garantiu o analista no Centro de Controle de Vôos Espaciais (CCVE) da Rússia, perto de Moscou.AlimentaçãoEle acrescentou que os médicos recomendaram a Pontes o mínimo de movimentação possível. O brasileiro deverá evitar os movimentos bruscos de cabeça e, principalmente, o esforço físico. "O objetivo é evitar ao máximo forçar o sistema circulatório", explicou.O espaço na nave russa é apertado. Os três cosmonautas já puderam tirar os trajes espaciais, mas só podem se movimentar em suas poltronas.A maioria dos cosmonautas acaba perdendo o apetite nessas condições. Mas a despensa da Soyuz contém rações suficientes para cada um comer até quatro vezes por dia, informou Aguréyev."É uma comida especial, que não é aquecida", disse. O cardápio do cosmonauta brasileiro inclui frango, presunto, queijo, sucos, chocolate, cereais, ameixas e outras frutas secas."Muitos não comem nada, porque é difícil se adaptar à baixa gravidade", comentou o cosmonauta russo Gennadi Pádalka, que está no CCVE, na cidade de Korolióv, ao nordeste de Moscou, acompanhando o vôo da Soyuz TMA-8.ExperimentosSegundo o CCVE, Vinogradov, comandante da expedição, relatou que as atividades de navegação de rotina estão sendo cumpridas. O russo e Williams ajudam Pontes a desenvolver as atividades da missão Centenário.A maior parte da missão brasileira será realizada na ISS, com experiências de bioquímica, termodinâmica, cinética de enzimas, cristalização de proteínas, semicondutores e difusão térmica.Na ISS, Pontes conversará com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, dará uma entrevista coletiva e também falará com estudantes.Vinogradov informou que às 0h48 (de Brasília) desta sexta-feira, quando a Soyuz TMA-8 deu a sua 18ª volta em torno da Terra, a segunda manobra para correção de trajetória foi executada com sucesso. O procedimento é indispensável para acoplar a nave à ISS.ChegadaA chegada está programada para amanhã, às 1h19 (de Brasília), depois de a Soyuz TMA-8 concluir a 33ª volta. A ISS estará a mais de 340 quilômetros de altitude.A missão da Soyuz TMA-8 é levar à ISS a sua 13ª equipe, a ISS-13, formada por Vinogradov e Williams. Eles vão substituir a ISS-12, também formada por um russo (Valeri Tokarev) e um americano (William McArthur), que está na estação desde outubro de 2005.Durante oito dias, os cinco cosmonautas viverão juntos na ISS. Russos e americanos vão se dedicar às atividades relacionadas com a transição das equipes, enquanto Pontes fará as experiências científicas.Vinogradov e Williams ficarão na ISS pelo menos seis meses, e Pontes voltará à Terra com Tokarev e McArthur na nave russa Soyuz TMA-7, em princípio no dia 9 de abril.A ISS-13 será responsável por mais de 60 experiências e pelo menos uma caminhada espacial. Em julho, vai receber uma visita da nave americana Discovery, onde estará o astronauta da Agência Européia, Thomas Reiter. Ele se tornará o terceiro membro da tripulação.

Agencia Estado,

31 de março de 2006 | 16h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.